CNE

Comissão de Eleições lança campanha "preventiva" para evitar problemas

Comissão de Eleições lança campanha "preventiva" para evitar problemas

A Comissão Nacional de Eleições vai lançar uma campanha "preventiva" a apelar aos eleitores para verificarem se a inscrição no recenseamento eleitoral está correcta. Nas eleições presidenciais de 23 de Janeiro, vários eleitores com Cartão do Cidadão não conseguiram votar.

A campanha, que João Almeida, membro da Comissão Nacional de Eleições (CNE), classifica como "preventiva", é constituída por dois 'spots' televisivos que mostram aos eleitores como podem verificar a sua inscrição no recenseamento eleitoral através da Internet ou por mensagem de telemóvel.

Contudo, visto que a marcação de eleições suspende a actualização do recenseamento e que, depois da fixação da data do ato eleitoral só em processos de reclamação é que será possível alterar as inscrições, a campanha poderá só passar nas televisões um dia.

"No dia em que sair um decreto a marcar uma eleição esta campanha deixa de fazer sentido", admitiu João Almeida, durante uma conferência de imprensa em que a campanha da CNE foi divulgada.

Mas é uma campanha útil, defende. "É útil para que, se houver eleição, os cidadãos sejam alertados nestes últimos dias para ver se alguns ainda conseguem corrigir eventuais incorrecções ou não ficarem impedidos de votar ou serem obrigados a votar em sítios distantes", explicou.

João Almeida ressalvou, no entanto, que mesmo depois das eleições legislativas antecipadas estarem marcadas continua a ser "útil" que os eleitores verifiquem a sua inscrição no recenseamento eleitoral. Mas, acrescentou, a partir desse dia qualquer alteração terá de ser feita "no quadro de um processo de reclamação".

Reconhecendo que a CNE poderia ter agido mais cedo, João Almeida frisou que "não vale a pena lançar campanhas só por lançar campanhas" e se todos os dias os eleitores fossem confrontados com campanhas deste género, acabariam por não surtir efeito.

PUB

João Almeida adiantou também que após a marcação das eleições legislativas antecipadas a ideia da CNE é continuar com a mesma campanha, ainda que "adequada" e não com a mesma imagem, nem com a mesma mensagem.

"Faz todo o sentido face às situações que se viveram insistir, que é uma coisa que não se costumava fazer, para que as pessoas vão verificar se houve alterações, vão ver, apelar a isso", sublinhou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG