Pandemia

Comparticipação de testes rápidos alargada a todos os utentes

Comparticipação de testes rápidos alargada a todos os utentes

Disponível a partir desta sexta-feira, num limite de quatro testes por mês.

O Estado vai voltar a comparticipar a 100% a realização de testes rápidos de antigénio em farmácias já a partir de amanhã e, pelo menos, até ao final do corrente ano. Com uma novidade: a comparticipação está agora aberta a todos os utentes, independentemente de imunizados ou recuperados.

Recorde-se que, até 31 de setembro, enquanto estava em vigor, o regime de comparticipação não se aplicava a utentes com certificado de vacinação que atestasse esquema vacinal completo, com certificado de recuperação ou menores de 12 anos de idade. Pontos que caem na portaria que acaba nesta manhã de quinta-feira de ser publicada em Diário da República.

A comparticipação, sublinhe-se, continua limitada a quatro testes de antigénio por mês civil e por utente. A referida portaria fixa, ainda, em dez euros o preço máximo da realização dos testes para efeitos de comparticipação. Os testes apenas podem ser realizados nas farmácias e laboratórios devidamente autorizados pela Entidade Reguladora de Saúde.

Em comunicado enviado às redações, o Ministério da Saúde explica que a comparticipação, "mesmo num cenário onde mais de 86% da população já está completamente vacinada, pretende facilitar o acesso dos cidadãos nas situações em que os testes estão indicados". O objetivo, conclui o gabinete de Marta Temido, é "contribuir para a deteção e isolamento precoce de casos, prevenir e mitigar o impacto da infeção por SARS-CoV-2 nos serviços de saúde e nas populações vulneráveis, assim como reduzir e controlar a transmissão da infeção por SARS-CoV-2 e monitorizar a evolução epidemiológica da COVID-19".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG