Nacional

Conclusões estão a ser apresentadas em Portugal de "forma cínica", diz CGTP

Conclusões estão a ser apresentadas em Portugal de "forma cínica", diz CGTP

O secretário-geral da CGTP, Carvalho da Silva, diz que as conclusões da cimeira da zona euro estão a ser apresentadas de "forma cínica" porque o "elogio" a Portugal não passa de "um incentivo" para a adopção de mais austeridade.

"É preciso ler tudo o que foi dito [na cimeira]. Essa interpretação de elogio não passa de um incentivo ao Governo português para continuar a aplicar a austeridade, porque além de mencionarem o elogio, [os líderes europeus] acrescentam já que Portugal e o Governo se deve preparar para outros planos de austeridade se for necessário", disse hoje Carvalho da Silva aos jornalistas no final de uma reunião com a direcção do PCP em Lisboa.

Os líderes europeus e da zona euro chegaram esta madrugada, ao fim de uma maratona negocial de quase dez horas, a um novo plano para reduzir a dívida grega e atribuir a Atenas um novo plano de resgate, prevendo que a banca aceite perdas de 50 por cento nos investimentos na dívida soberana da Grécia.

PUB

A declaração final da cimeira elogiou também o esforço de Portugal e da Irlanda no cumprimento dos programas de ajustamento ao abrigo da ajuda externa, e "convida os dois países a manter os seus esforços, a manterem-se comprometidos com as metas acordadas e estarem dispostos a tomar quaisquer medidas adicionais necessárias para atingir essas metas".

Para o líder da maior central sindical nacional, "o que está a ser preparado para o povo - e basta ver algumas das projecções macroeconómicas que estão a suportar o Orçamento do Estado e que estão manipuladas - é uma continuação de sacrifícios e isto não conduz a lado nenhum".

Segundo Carvalho da Silva, foi "o apelo ao povo português para responder" a estas políticas que esteve na agenda do encontro que manteve hoje com o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, e que se inseriu num "conjunto de encontros" que a CGTP está a realizar com diversos partidos.

Nestas reuniões, a CGTP tem manifestado as suas "grandes preocupações com o rumo que o país está a seguir e que se vê confirmado a cada dia de forma preocupante", segundo as palavras de Carvalho da Silva, que disse que apresentou ainda ao PCP "as causas que levam os trabalhadores à sua luta e à realização de uma greve geral" a 24 de Novembro.

Questionado sobre o apelo ao diálogo entre forças políticas e parceiros sociais feito pelo Conselho de Estado na terça-feira, Carvalho da Silva respondeu que "o problema é o enquadramento que colocam para o diálogo".

O secretário-geral da CGTP, diz que "todo o diálogo é útil, mas querem este diálogo debaixo da execução de um conjunto de políticas em que, como diz o povo, não bate a bota com a perdigota", ou seja, aplicam-se medidas de austeridade esperando ao mesmo tempo que haja crescimento económico.

Porém, afirma, "uma coisa inviabiliza a outra".

"É uma espécie de exercício de diálogo debaixo da quadratura do círculo. Pode ser que descubra em Portugal como se faz mas até agora não foi fácil", afirmou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG