Nomeações

Costa ao ataque: "Melhor qualidade de Cavaco não é a memória"

Costa ao ataque: "Melhor qualidade de Cavaco não é a memória"

Costa afirmou-se esta quinta-feira "tranquilo" com a polémica das nomeações de governantes por familiaridade e apontou baterias ao ex-presidente da República Cavaco Silva, que criticou o Governo pelo que está a passar: "a melhor qualidade dele não é a memória".

O primeiro-ministro reagiu pela primeira vez publicamente às muitas notícias sobre a teia de ligações familiares no Governo, que já chegaram até à imprensa internacional.

No Barreiro, à margem de uma cerimónia sobre os novos passes sociais, António Costa quebrou o silêncio de forma acutilante para garantir que nenhum destes membros do seu Executivo sairá das funções políticas para fundar um banco (o BPN) ou gerir uma infraestrutura (Ponte Vasco da Gama).

"Percebo a preocupação com as relações familiares. Acho estranho que quem hoje se preocupa tanto com as relações familiares, se tenha preocupado tão pouco no passado com outras relações, designadamente a promiscuidade com cargos políticos, que não são públicas nem são sindicáveis", atirou Costa, que se atacou não só Cavaco, como vários membros dos seus então três executivos [1985-1995], entre eles Oliveira e Costa, que fundou o BPN, e Ferreira do Amaral, que foi gerir a Ponte Vasco da Gama, assim que deixou de ser ministro das Obras Públicas.

"Nenhum dos membros do meu Governo sairá do Governo para ir formar um banco, que depois vá à falência e fique a viver à custa dos contribuintes. Nenhum membro do meu Governo sairá do Governo para ir gerir uma infraestrutura cuja construção ordenou. Nenhum membro do meu Governo irá adquirir ativos em empresas que privatizou na legislatura imediatamente anterior. Essas é que são as relações com que se deveriam realmente preocupar", sublinhou, para acrescentar que "todos os nomes de que se têm falado fazem parte do Governo desde o primeiro dia".

PUB

A reação de Costa surgiu na sequência das declarações de Cavaco Silva, que assegurou que o atual Governo "não tem comparação" com aquele a que deu posse.

Rio acusado de ser "injusto"

O chefe do Governo criticou também as declarações que o presidente do PSD; Rui Rio, tem feito sobre esta polémica: "Vi o líder da Oposição a fazer uma referencia, que diria, injusta e desprimorosa, comparando o Conselho de Ministros com uma Ceia de Natal".

"É manifesto que desde que o dr. Paulo Rangel entrou em campanha eleitoral a comunicação social agarrou neste tópico de campanha. Ao longo destes tres anos, nunca esse tema foi tema, disse, quando aquela que seria a maior medida do Governo - a redução do preço dos passes - está a ser ofuscada pelos casos.

"Nenhum membro do Governo nomeou quem quer que seja em função da relação familiar. Há no conjunto dos 62 gabinetes mais de 500 pessoas a trabalhar. Têm sido referidos alguns casos. É provável que aconteça, como acontece em qualquer empresa, que haja relações familiares entre pessoas. O que seria grave - e ainda não vi nenhum caso apontado nesse sentido - é que alguém fosse beneficiado ou prejudicado em função de relações familiares", defendeu, questionado pelos jornalistas e horas depois de ter enviado uma declaração à Lusa sobre o assunto.

Costa admitiu que, nos vários casos que têm vindo a lume, "pode haver uma ou outra coincidência". "Mas não é isso que altera a realidade", argumentou, referindo que ao longo da legislatura "não se verificou rigorosamente nenhuma perturbação da independência de como cada um intervém" e que "ninguém nomeou algum seu próprio familiar para o exercício de qualquer função".

Segundo o primeiro-ministro, as relações familiares em causa "são públicas, são sindicáveis". E as nomeações feitas nos gabinetes dependem da confiança "estrita, pessoal, técnica e política de cada membro do Governo". "Não estamos a falar de cargos na Função Pública, estamos a falar de cargos em gabinetes [ministeriais]".

O socialista concluiu assim que espera que quem faz as nomeações as faça de acordo "em quem confiam. "É natural de quem seja do PS esteja nos gabinetes de governantes do PS e não nos gabinetes de outros governantes. É natural que nos gabinetes do PSD estejam pessoas próximas do PSD e não do PS".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG