Quarentena

Costa apela à solidariedade nas empresas perante ameaça do virus

Costa apela à solidariedade nas empresas perante ameaça do virus

O primeiro-ministro apelou, esta segunda-feira, à solidariedade entre os responsáveis da empresas do setor privado e os seus funcionários, no âmbito das medidas preventivas do surto de coronavírus.

No caso do público, já foi anunciado que os trabalhadores que tiverem de trabalhar a partir de casa ou ficar em isolamento profilático não terão cortes no salário.

Questionado sobre os trabalhadores do setor privado, em caso de terem de ficar em isolamento, uma vez que os do setor público estão protegidos, António Costa sublinhou que "várias empresas têm tomado a iniciativa de estabelecerem recomendações aos seus funcionários". O primeiro-ministro acrescentou que "todos têm de agir de uma forma solidária, tendo em conta a situação atual" e recordou que, "no limite", os trabalhadores têm sempre "a figura da Baixa".

O chefe do Executivo, que falava no final da apresentação do novo programa de ação "Justiça + Próxima", que decorreu, na manhã desta segunda-feira, apelou à "serenidade" de toda a gente perante os sintomas e acentuou a necessidade de recorrer à Linha Saúde 24, sob pena de não se entupirem os hospitais e centros de saúde, o que, como observou, pode até aumentar o risco de contágio.