Restrições na Páscoa

"Isto não é um jogo entre o Governo e as pessoas que tentam fugir às regras", diz Costa

"Isto não é um jogo entre o Governo e as pessoas que tentam fugir às regras", diz Costa

O primeiro-ministro confirmou esta terça-feira as declarações proferidas ontem por Marcelo Rebelo de Sousa, afirmando que, "pelo menos até ao final do processo de desconfinamento, é preciso manter o estado de emergência". Além disso, apelou à responsabilização individual na semana da Páscoa.

No final de uma visita às obras de requalificação d​​​​​a Escola Secundária de Camões, em Lisboa, António Costa revelou estar de acordo com o Presidente da República quanto à necessidade de prolongar o estado de emergência até maio.

"Da parte do Governo é esse o entendimento. Pelo menos até ao final do processo de desconfinamento é preciso mantê-lo", sublinhou.

O chefe de Governo aproveitou ainda para sublinhar que, apesar de o país estar "no bom caminho", é preciso redobrar os cuidados.

"As coisas não correm bem por acaso, correm bem se mantivermos a disciplina. Caso contrário, estragamos tudo aquilo que conseguimos", frisou, recordando os "meses dramáticos de janeiro e fevereiro".

PUB

Questionado sobre a proibição de circulação entre concelhos não só no fim de semana como durante toda a semana da Páscoa, o primeiro-ministro insistiu num apelo à responsabilização individual.

"O primeiro controlo que tem de existir é o de nós próprios", notou, alertando, ainda assim, que "é evidente que as autoridades estarão lá para fazer cumprir a lei".

Costa sublinhou ainda que o processo de vacinação "está a correr como o esperado", avançando que, até ao final da semana, será conquistada a meta prevista para março: a de termos mais de 80% de idosos com mais de 80 anos vacinados.

Aliás, acrescentou, segundo o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, coordenador da task force, "teremos 83% dos idosos vacinados".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG