Angola

Costa defende mais visitas de alto nível político entre Lisboa e Luanda

Costa defende mais visitas de alto nível político entre Lisboa e Luanda

O primeiro-ministro afirmou que as visitas de alto nível político entre Portugal e Angola têm de ser menos espaçadas no tempo, evitando a acumulação de assuntos bilaterais por tratar.

António Costa deixou este apelo na conferência de imprensa conjunta com o presidente da República de Angola, João Lourenço, no Palácio Presidencial, que se seguiu à assinatura de acordos bilaterais entre os dois países.

Esses acordos assinados pelos executivos de Luanda e de Lisboa abrangeram matérias diversas como um memorando para a regularização de dívidas a empresas nacionais, o fim da dupla tributação nas transações comerciais, o aumento do número de voos entre os dois países, ou o Acordo Estratégico de Cooperação (2018/2022).

O primeiro-ministro começou por referir que esta terça-feira entregou ao chefe de Estado angolano, João Lourenço, o convite formulado pelo presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, para que visite Portugal em novembro próximo.

Mas, a este propósito, o líder do executivo português deixou um recado: "É essencial que as visitas entre os dois países não sejam tão espaçadas no tempo, porque depois há muitas matérias que se acumulam por tratar", disse.

O último primeiro-ministro de Portugal a visitar Angola foi Pedro Passos Coelho em 2011. Já quanto a presidentes da República de Angola de visita a Portugal, o último foi José Eduardo dos Santos, em 2010.

"Felizmente", segundo o primeiro-ministro português, "dentro de dois meses, já haverá a oportunidade de receber o presidente de Angola em Portugal".

Na conferência de imprensa, António Costa defendeu que a assinatura de "11 instrumentos" por parte dos governos de Portugal e de Angola "culmina uma parte importante" dessa sua visita de trabalho de dois dias a Angola.

"O número de instrumentos assinados demonstra a intensidade das nossas relações. Creio que nesta visita ficou bem clara a vontade comum dos dois governos, das respetivas lideranças e dos dois países de prosseguirem em bases sólidas uma cooperação estratégica. Essa cooperação estratégica encontra correspondência clara na nossa sociedade civil, nos nossos agentes económicos", acentuou o primeiro-ministro português, tendo ao seu lado o presidente da República de Angola.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG