O Jogo ao Vivo

Política

Costa não conta com a "subserviência" dos madeirenses, diz Miguel Albuquerque

Costa não conta com a "subserviência" dos madeirenses, diz Miguel Albuquerque

O presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou esta quarta-feira que o primeiro-ministro "não pode contar com subserviências" dos madeirenses, acusando António Costa de estar "numa cruzada" e de esperar "reverência".

"O senhor primeiro-ministro, da Madeira, não pode contar com subserviências, nem nós [madeirenses] somos empregados do senhor primeiro-ministro", afirmou o governante madeirense à margem de uma visita à obra de requalificação, recentemente concluída, do centro do Estreito de Câmara de Lobos, uma empreitada da Câmara Municipal.

Referindo-se às afirmações do secretário-geral do PS e primeiro-ministro no comício da candidatura da coligação Confiança (PS/BE/MPT/PDR/PAN) à Câmara do Funchal, na segunda-feira, Miguel Albuquerque considerou que António Costa deslocou-se à Madeira para "dizer duas inverdades, com alguma euforia e alguma soberba de poder".

"O primeiro-ministro agora pensa que manda em toda a gente" e os madeirenses são "uma espécie de alunos destituídos de cérebro, que pode dar ordens em toda a gente", afirmou.

Miguel Albuquerque acrescentou que o secretário-geral do PS, "no calor do comício", assegurou que o Estado ia comparticipar em "50% na construção e equipamento do novo hospital" da Madeira.

Contudo, argumentou, "nada nos documentos aponta para isso".

"Do nosso ponto de vista, continua nos 35% [a comparticipação assumida pelo Estado neste projeto)", reforçou, enfatizando que está previsto o " desconto do património que pertence a todos os madeirenses" e que "nada foi feito, nem deliberado em Conselho de Ministros, nem na Assembleia da República" relacionado com esta posição divulgada pelo primeiro-ministro.

PUB

O presidente do Governo Regional disse ainda não ser obrigado a "ter sorrisos, nem relacionamentos emocionais com o Governo da República", mas, apenas, "no quadro da dialética entre os dois governos, estabelecer pontes de diálogo e a reivindicação daquilo a que os madeirenses têm direito".

"Os madeirenses e porto-santenses não estão aqui a pedir nenhum favor" e "não estão para ser tratados como meninos da escola com lições de moral", afirmou, acrescentando que não é uma questão de estados de alma, é uma questão de repor a verdade".

E, insistiu, "a verdade é que aquilo que o primeiro-ministro disse no comício não corresponde à verdade".

Miguel Albuquerque assegurou ainda que o Governo da Madeira "vai continuar a reivindicar" a comparticipação de 50% do Estado na obra e equipamentos do novo hospital, porque se o primeiro-ministro o afirma "tem de por no papel"

"Acho que o primeiro-ministro está numa cruzada para tomar conta disto tudo. Está a tornar-se numa espécie de mescanização do país e acha que toda a gente tem de estar com reverências", sustentou.

Questionado sobre a questão do vulcão em Canárias, o presidente do Governo Regional informou que está "acompanhar em permanência" a situação, garantindo continuar "a não haver momento para pânicos ou para alarmismos", porque "ainda está por determinar" se as cinzas poderão atingir a Madeira.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG