Conselhos úteis

Covid-19 - somos tão fortes como o nosso elo mais fraco

Covid-19 - somos tão fortes como o nosso elo mais fraco

Todos ouvimos relatos assustadores de profissionais de saúde noutros países que discutiam a falta de ventiladores, a terrível decisão de ter de escolher quem ventilar face a inúmeras solicitações. Não foi há muito tempo.

De uma forma notável, percebeu-se a importância do distanciamento físico, da etiqueta respiratória, da higiene das mãos e até das máscaras para reduzir a transmissão do novo coronavírus e a necessidade de "achatar a curva", impedindo a sobrecarga do sistema de saúde. As medidas tomadas contiveram a transmissão da infeção na comunidade e permitiram a resposta adequada dos serviços de saúde - tão visível na mortalidade observada nos diferentes países.

Tenho receio, contudo, que a segunda parte da equação tenha ficado perdida... As medidas que tomamos até agora não nos protegem do coronavírus.

É tentador imaginar que a nossa vida vai voltar ao normal, mas temos de nos convencer que não vamos voltar ao "velho normal". Não podemos! Alcançaremos um novo tipo de normalidade e adotaremos novas maneiras de trabalhar (o teletrabalho terá de ser uma realidade a manter), de nos encontrarmos com amigos, dar aulas, fazer consultas (a teleconsulta, o agendamento prévio da consulta). Vamos precisar de lavar as mãos com mais frequência, cumprir as regras de etiqueta respiratória. Teremos de continuar a proteger as populações mais vulneráveis. Viajar poderá exigir maior preparação e até nos poderá ser exigido um período de quarentena quando chegamos a um novo país.

Será a única forma de evitar novos surtos, pelo menos até termos adquirido imunidade. Se não cumprirmos as regras desta "nova normalidade", teremos mais surtos, mais mortes e estaremos sujeitos a restrições mais apertadas.

Quando se trata de doenças infecciosas, a comunidade é tão forte quanto o seu elo mais fraco: até que cada país, cada região, cada família, tenha capacidade de conter a propagação da doença, nenhum de nós está seguro. Só com uma estratégia correta, executada com rigor, podemos voltar a ter um mundo mais seguro, ainda que não estejamos livres do risco de infeção.

Outras Notícias