Pediatria

Crianças apresentam pouco risco de complicações permanentes da Covid-19

Crianças apresentam pouco risco de complicações permanentes da Covid-19


Não são conhecidas sequelas graves nas crianças com covid-19, mas, a existirem, "podem ser essencialmente de doença pulmonar", revelou Jorge Amil Dias, presidente do colégio de Pediatria da Ordem dos Médicos.

"O número de casos com alguma gravidade tem sido muito pequeno. E do que tenho conhecimento, não há nenhum em Portugal com atingimentos significativos ou sequelas", afirmou.

Maria João Brito, diretora da Unidade de Infeciologia do Hospital de Dona Estefânia, sublinhou, por seu lado, que a seguir à doença aguda podem surgir complicações, mas que as sequelas só serão detetadas "ao fim de seis a 12 meses", tal como nos adultos. "Temos crianças que tiveram pneumonia e que vamos avaliar daqui a uns meses".

Sobre as complicações, a médica revelou que a pneumonia causada pela covid-19 é diferente das restantes - na forma de apresentação (TAC e radiografia) - mas as complicações são semelhantes às restantes pneumonias: baixa de oxigénio no sangue (hipoxemia), pelo que os doentes precisam de oxigénio suplementar.

A nível de sintomas, "as crianças muito pequeninas respondem com febre alta e têm análises muito alteradas. E algumas têm dificuldades respiratórias que depois fazem o quadro da pneumonia. Nem todas são graves". Nos dois casos, são submetidos a tratamentos experimentais.

Sobre os casos de síndrome de Kawasaki, registados em crianças com covid-19, Amil Dias frisou que não se trata de uma sequela, mas sim de um "tipo de doença com componente imunológico reativo a um processo infecioso prévio".

O pediatra explicou que esta doença está há "muito tempo" relacionada com outras infeções. E "não será de estranhar" que a infeção por covid-19 "provoque uma reação inflamatória intensa" que descontrole o sistema imunitário. No entanto, é uma doença "autolimitada", que tem cura. No final de abril, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, revelou a existência de uma criança doente com um quadro "semelhante" a esta síndrome. Porém, o diagnóstico não foi confirmado.

Outras Notícias