Exclusivo

Cultura ainda tem de "andar de chapéu na mão"

Cultura ainda tem de "andar de chapéu na mão"

O regresso à normalidade após a pandemia está a ser marcado pelo retorno dos eventos culturais, com a adesão massiva das pessoas. No entanto, os agentes culturais, que criticam a falta de financiamento do setor, não sabem se a procura veio para ficar ou é reflexo de dois anos de restrições.

No worklab "Cultura no centro da mudança", que decorreu, esta quarta-feira, na QSP Summit, na Exponor, o painel, composto pelos músicos Luís Represas e Tim, pela artista plástica Joana Vasconcelos e, como moderadora, pela diretora do JN Inês Cardoso, discutiu o sucesso dos eventos culturais: "Não sabemos se esta adesão é apenas pelas pessoas terem vontade de sair após dois anos [de pandemia], ou se o setor passou a ter outra valorização", declarou o cantor Luís Represas.

As apostas no setor da cultura por parte do Governo continuam a estar "aquém" do pretendido. Nos dois anos de pandemia em que se realizaram as eleições presidenciais e legislativas, Luís Represas disse "não ter ouvido falar de cultura em nenhum debate". O cantor entende que existe "uma visão caritativa" para com o setor.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG