DGS

Máscara em casa e encontros no exterior: dicas para um Natal seguro

Máscara em casa e encontros no exterior: dicas para um Natal seguro

Para que estes dias festivos não se transformem em aumento de casos positivos, há um conjunto de regras a ter em conta.

Sendo certo que esta não será uma quadra natalícia normal, a Direção-Geral da Saúde emitiu uma série de indicações para que as famílias possam usufruir das festividades em segurança. O Governo lançou uma campanha com o mesmo objetivo. Pontos que têm sido reforçados pela Organização Mundial da Saúde. Eis a lista de recomendações para que a noite de consoada não se transforme, nos dias seguintes, em aumento de casos positivos de covid-19:

A DGS pede que se reduzam os contactos antes e durante a quadra festiva. É pedido que se reduza "substancialmente" o número de pessoas com as quais se socializa, "para reduzir a probabilidade de risco de ser contaminado e contaminar".

No caso de haver alguém que tenha sintomas, ou esteja em isolamento, o distanciamento deve ser garantido. Nos restantes casos, "o afastamento físico não significa afastamento familiar ou social".

Deve ser reduzido "para duas ou três horas" o tempo em que diferentes membros da família estão juntos e deve fazer-se uso dos espaços exteriores.

Outra das recomendações é a redução de "contactos do núcleo familiar". No contexto destas recomendações, é considerada como "família" as pessoas com quem se coabita, sejam familiares próximos ou amigos. Nesse sentido, o apelo que foi feito é que se reduzam os contactos com outros familiares.

Quanto a outros familiares e amigos, a DGS sugeriu que se façam encontros por via digital, telefónica, ou "encontros rápidos em quintais, ou no patamar das escadas dos prédios". A OMS apelou ao uso da máscara dentro de casa, lembrando que "pode ser incómodo, mas contribui de forma significativa para que todos estejam seguros e saudáveis".

PUB

O distanciamento físico foi recomendado, ainda, nas deslocações, na preparação das refeições, em convívios e em salas fechadas. As pessoas devem estar entre um metro e meio e dois metros de distância entre cada uma. Foi sublinhado ainda que as cozinhas são "locais de alto risco por serem locais de confeção da refeição e de convivência". Os cumprimentos tradicionais devem "ser evitados".

A DGS recomendou que os espaços sejam arejados. Os espaços maiores são uma melhor escolha para se fazer convívios, uma vez que são "de maior proteção", mas não eliminam o risco. Recomenda-se, ainda, que os espaços sejam desinfetados, bem como "objetos de eventual partilha".

De resto, deve-se lavar e desinfetar as mãos regularmente, cumprir a etiqueta respiratória e usar máscara devidamente. Não deve haver partilha de objetos pessoais, como copos e talheres, especialmente entre "familiares não habitantes". Para além disso, foi feito um apelo ao consumo moderado de "substâncias que possam trazer maiores afetividades".

Além das recomendações da Direção-Geral da Saúde, o Governo lançou a campanha "Não deixes o vírus entrar", com o objetivo de "sensibilizar os portugueses para evitarem comportamentos de risco na quadra natalícia". Os vídeos da campanha - alguns dos quais estão a ser transmitidos na televisão - alertam para a importância das recomendações feitas na proteção contra o contágio da covid-19. Por sua vez, a Organização Mundial da Saúde apelou ao "espírito coletivo na época natalícia, para ajudar a ultrapassar os desafios trazidos pela pandemia. A DGS sublinha que é importante "cuidar dos mais vulneráveis", e que a "solidariedade também é mostrar amor" através de comportamentos que protejam aqueles que "nos são próximos".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG