Terceira fase

Desconfinamento avança (a ritmos diferentes) mas Costa pede "contenção"

Desconfinamento avança (a ritmos diferentes) mas Costa pede "contenção"

Ainda que com algumas exceções, a terceira fase do plano de desconfinamento vai avançar na segunda-feira na generalidade do país. Mas o dever geral de recolhimento mantém-se para evitar recuos.

De acordo com o plano de desconfinamento traçado pelo Governo, e hoje anunciado por António Costa no fim de mais uma reunião de Conselho de Ministros, a terceira e penúltima fase avança na segunda-feira (19 de abril) em quase todo o território, com exceção feita a 11 concelhos que, pela mais elevada taxa de incidência de novos infetados, não reúnem as condições para avançar. Unânime em todo o país, mesmo nos municípios de maior risco, é o regresso às aulas presenciais no ensino secundário e o ensino superior - o Governo não quer dois pesos e duas medidas para a Educação.

De resto, com a exceção abaixo detalhada, as lojas e centros comerciais voltam a abrir independentemente da dimensão, tal como restaurantes, cafés e pastelarias (com máximo de quatro pessoas no interior ou seis, por mesa, em esplanada), que podem ter portas abertas até às 22 horas durante a semana e 13 horas aos fins de semana e feriados. Cinemas, teatros, auditórios e salas de espetáculos também voltam a abrir o público, cumprindo as normas anteriormente estabelecidas pela Direção-Geral da Saúde. As Lojas do Cidadão voltam a ter atendimento presencial (mediante marcação) e as modalidades desportivas de médio risco podem ser praticadas - o futebol continua sem adeptos até ao início da próxima época. Eventos exteriores estão autorizados mas com diminuição da lotação e cerimónias como casamentos e batizados só com 25% dos convidados.

Onze concelhos não avançam

Quem não avança para a terceira fase são sete concelhos que têm uma incidência com mais de 120 casos por 100 mil habitantes: Alandroal, Albufeira, Beja, Carregal do Sal, Figueira da Foz, Marinha Grande e Penela. Mantêm-se, nesses casos, as regras ainda em vigor (confire-as aqui). Não avançam também quatro concelhos com incidência acima dos 240 casos por 100 mil habitantes - Moura, Odemira, Portimão e Rio Maior - que vêm, aliás, um retrocesso no desconfinamento, estando aí proibida a circulação entre municípios (veja aqui).

Os oito concelhos que, há 15 dias, tinham 120 casos de infeção por 100 mil habitantes evoluíram favoravelmente e integram a próxima etapa de desconfinamento. E os novos 13 concelhos com 120 casos por 100 mil habitantes (Aljezur, Almeirim, Meda, Barrancas, Miranda do Corvo, Miranda do Douro, Vila Franca de Xira, Paredes, Penalva, Resende, Valongo, Famalicão e Olhão) têm de "estar atentos" à evolução da pandemia na próxima quinzena, pediu Costa.

PUB

Lembrando que a atual baixa taxa de incidência (72,4 casos por 100 mil habitantes) foi conquistada "num processo de confinamento muito doloroso" e que o índice de transmissibilidade (Rt) se está a aproximar do "lado perigoso" da matriz, o primeiro-ministro insistiu que a balança só se manterá equilibrada se se mantiverem também comportamentos "o mais adequados possível à situação", o que inclui a "contenção na circulação" e nos convívios.

O dever geral de recolhimento continua, por isso, em vigor, ainda que com medidas de exceção (alargadas durante o processo de desconfinamento). "Sempre que possamos ficar em casa, devemos ficar em casa. Sempre que possamos diminuir os contactos sociais, devemos diminuir os contactos sociais, de forma a evitar que a pandemia volte a crescer", apelou o primeiro-ministro, que não afasta uma eventual renovação do estado de emergência para além do fim de abril: "Dependerá sempre da pandemia".

Costa estima que toda a população com mais de 70 anos esteja vacinada no fim de abril e que, em maio, sejam vacinadas todas as pessoas com mais de 60. "Até fim de maio, 96% da população das faixas etárias de maior mortalidade estará vacinada", declarou.

Leia aqui, ponto a ponto, as medidas que entram em vigor na próxima segunda-feira. E aqui as exceções aplicadas aos concelhos de maior risco.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG