Premium

Despesa da folha salarial do Governo sobe 15%

Despesa da folha salarial do Governo sobe 15%

Folha salarial do elenco governativo que entra vai custar mais 15% ao Estado do que a daquele que sai.

António Costa voltou a aplicar nas 50 secretarias de Estado a mesma estratégia que já tinha usado na composição do seu Conselho de Ministros: aumentou o peso político nas 19 pastas, evitou a eito relações familiares entre ministros e deixou pouco espaço de manobra aos independentes, como é o caso da ministra da Saúde, Marta Temido. Um Executivo que, para o primeiro-ministro, tem como principal meta a "continuidade do diálogo" com a Esquerda. Este elenco, que deverá tomar posse até sexta-feira, vai ficar, para já, mais caro 15% do que o antecessor, saldando-se a fatura em 20,5 milhões de euros.

Ainda que as nomeações para os gabinetes ministeriais sejam o alçapão onde ao longo da última legislatura mais foram notórios os casos do "familygate", Costa conseguiu entregar em Belém, ao longo de uma semana, 69 nomes - 70 a contar com o seu - sem laços familiares entre si conhecidos.

Outros Artigos Recomendados