Covid-19

DGS alerta para uso indevido de luvas porque pode potenciar contágio

DGS alerta para uso indevido de luvas porque pode potenciar contágio

A Direção-Geral da Saúde reiterou que o uso de luvas na rua pode ser "contraproducente e dar uma falsa sensação de segurança".

"Tem havido formação e muita informação, mas nunca é demais repetir. O uso indevido de luvas pode ser contraproducente e dar uma falsa sensação de segurança. Se estivermos com luvas e tocarmos numa superfície contaminada, o vírus fica nas luvas. Se forem levadas as mãos à cara, o vírus será transmitido", disse aos jornalistas a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, quando questionada sobre o uso do equipamento de proteção pela população em geral.

Graça Freitas voltou a destacar que o uso indevido de material de proteção pode ser mais contraproducente e dar até uma falsa sensação se segurança.

No caso das luvas, a diretora-geral da Saúde admitiu a possibilidade de serem usadas "uma única vez", num único ato de contacto, e depois descartadas. No entanto, aconselhou a população a não usar luvas.

"A principal medida de proteção é a lavagem frequente das mãos e no intervalo da lavagem não tocar na cara, sobretudo no nariz, olhos e boca", disse, frisando que as luvas, sobretudo "utilizados frequentemente, seguidamente e constantemente só estão a acumular potencialmente vírus de diversas origens".

Em Portugal, segundo o balanço feito pela DGS, registaram-se 295 mortes, mais 29 do que na véspera (+11%), e 11.278 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 754 em relação a sexta-feira (+7,2%).

Dos infetados, 1.084 estão internados, 267 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 75 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde 19 de março e até ao final do dia 17 de abril, depois do prolongamento aprovado esta semana na Assembleia da República.