Denúncias

DGS garante "transparência" nos boletins diários apresentados ao país

DGS garante "transparência" nos boletins diários apresentados ao país

Em resposta às últimas notícias de que o número de infetados pelo novo coronavírus em Portugal não engloba a totalidade de casos, a DGS reitera que os dados fornecidos diariamente são pautados por "rigor e transparência".

Em comunicado enviado às redações, a Direção-Geral da Saúde contrariou as denúncias de que os dados epidemiológicos apresentados não estão a contabilizar todos os novos infetados com covid-19, explicando uma vez mais que a vigilância da doença é feita através do SINAVE.

"O sistema nacional de vigilância epidemiológica (SINAVE), que é utilizado para contabilizar os casos de covid-19, depende da notificação atempada pelos médicos e laboratórios que identificam os casos em todo o território nacional", sublinhou, garantindo que as notificações recebidas "são analisadas diariamente para garantir a validade dos dados".

"Todos os dias existe um processamento dos dados no sentido de agregar os dados clínicos e laboratoriais à mesma pessoa, confirmar o estado de doente covid-19 e identificar duplicados. Posteriormente estes dados são ainda sujeitos a um controlo de qualidade antes da publicação do relatório de situação epidemiológica", pode ainda ler-se na nota de imprensa.

A DGS acrescenta ainda que se tem pautado "por uma relação de rigor e transparência nos relatórios diários, comunicações, conferências e entrevistas".

O esclarecimento surge depois de o Expresso ter avançado, este sábado, que vários profissionais no terreno e antigos responsáveis do setor da saúde "põem em causa a veracidade da dimensão da infeção".

As denúncias, sublinha o semanário, referem-se a "discrepâncias nos registos, como surtos noticiados que não aparecem logo na estatística da DGS, diferenças entre o número total de infeções e a distribuição por concelhos, um número maior de casos registados pelas autoridades de saúde do que o reportado na base de dados ou até concelhos que o boletim oficial refere não terem novos doentes há semanas mas onde continua a haver admissões covid nas urgências locais e unidades de saúde pública".

De recordar que Portugal registou, nas últimas 24 horas, sete mortes e 413 novos casos de infeção por covid-19. Ao todo, contam-se 43569 infetados desde o início da pandemia, em março, e 1605 óbitos.

Outras Notícias