Covid-19

Diminuição das reservas de sangue pode adiar cirurgias programadas

Diminuição das reservas de sangue pode adiar cirurgias programadas

Stocks estão estáveis, mas já há desmarcações. Instituto Português do Sangue suspendeu colheitas nos locais onde há casos. Recolha de órgãos afetada.

O Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) suspendeu as sessões de colheita em localidades onde se confirmaram casos de Covid-19. Apesar de as reservas nacionais estarem ainda estáveis, as desmarcações já se começam a sentir. Se as reservas ficarem abaixo dos três dias, será dada ordem para cancelar cirurgias programadas. Suspensa está já a colheita de órgãos em dadores em paragem cardiocirculatória.

Desconhecendo-se qual o potencial de transmissão de SARS-CoV-2 por via da transfusão de sangue, o IPST apertou as regras de doação e tem já em vigor o seu plano de contingência. Relativamente à doação de sangue, "o instituto não realizará sessões de colheita em locais ou localidades onde se tenham verificado casos confirmados de Covid-19 na atual fase de contenção alargada", informou o Conselho Diretivo do IPST, em resposta enviada por escrito ao JN.

Além do reforço na pesquisa de antecedentes pessoais, foram adiadas as dádivas por 28 dias no caso de exposição/contacto com casos confirmados ou quando os dadores estiveram em áreas com transmissão comunitária ativa. O período de suspensão de 28 dias baixa para 14 quando "ocorrer insuficiência de sangue e componentes sanguíneos devido a alta taxa de suspensão de dadores".

De acordo com a mesma fonte, na noite desta terça-feira, a reserva nacional encontrava-se estável. Contudo, o IPST prevê "a eventualidade de uma redução da dádiva de sangue", decorrente das medidas de contenção. O que, sublinham, "já se reflete na desmarcação de sessões de colheita móvel, verificada nos últimos dias". É o caso do Banco de Sangue do Centro Hospitalar do São João, dos maiores do país.

Cirurgias canceladas

O Plano de Contingência para a Reserva Estratégica Nacional de Sangue define quatro níveis de alerta: verde, amarelo, laranja, vermelho. O último, o mais grave, é acionado quando as reservas de sangue do país só chegarem para até três dias. Entre as medidas a tomar, está o cancelamento de todas as cirurgias programadas, a aplicação do algoritmo transfusional e a redução tanto do período de tempo entre dádivas (dois meses) como do valor limite de hemoglobina.

Doação de órgãos

A doação de tecidos, células e órgão está também limitada. O Programa de Colheita em Dador em Paragem Cardiocirculatória foi "temporariamente suspenso, bem como a atividade do Banco Público de Células do Cordão Umbilical", adianta o instituto.

Quando aos dadores falecidos, os que apresentassem sintomas clínicos sugestivos de Covid-19, histórico de contacto com caso suspeito ou que tivessem viajado para regiões com transmissão ativa nos 28 dias anteriores têm que ser testados em laboratório. Confirmando-se, os órgãos daquele dador ficam excluídos.

No que aos dadores vivos concerne, as dádivas são adiadas por 28 dias em casos de possível exposição/contacto ou após viagem para zonas com casos confirmados. Todas a medidas poderão ser revistas "se a evidência científica e a evolução da epidemia o exigirem".

4 a 7 dias

Os grupos sanguíneos O- e B- são os que têm as reservas mais em baixo, garantido abastecimento de 4 a 7 dias. De 7 a 10 dias estão os grupo A+ e A-. Por mais de 10 dias, O+, B+, AB+ e AB-. Os locais de colheita do IPST são atualizados, todos os dias, em http://dador.pt