O Jogo ao Vivo

Parlamento

Direita critica congresso do PCP, Governo lembra que lei vem do tempo de Cavaco

Direita critica congresso do PCP, Governo lembra que lei vem do tempo de Cavaco

O PSD, o CDS e o Chega criticaram, durante o debate sobre o estado de emergência, a realização do congresso do PCP. O ministro Eduardo Cabrita mostrou-se "surpreendido", recordando que a lei que o permite foi elaborada por um Governo de Cavaco Silva.

"Milhões de portugueses estarão bloqueados em casa e umas centenas de comunistas em alegre convívio congressista", afirmou Adão Silva, líder parlamentar do PSD, apontando a mira ao Governo por permitir o congresso do PCP, que se vai realizar entre 27 e 29 de novembro, em Loures. "Como se há-de compreender?".

Esta sexta-feira, durante o debate no parlamento, o deputado social-democrata acrescentou que o Executivo aceita a realização do evento porque "deve a sua sobrevivência ao PCP". No entanto, "o que a nós o que nos interessa é a sobrevivência dos portugueses, das empresas, do emprego e dos serviços de saúde", contrapôs.

O PSD votou a favor da renovação do estado de emergência, mas fez do congresso comunista o centro do seu discurso. "Para uns ditam-se proibições e para outros aceitam-se exceções", criticou Adão Silva, pedindo que o Governo seja "coerente" e criticando a "obstinação, prepotência e arrogância" do PCP.

"PCP devia organizar o Natal"

Também o CDS se concentrou nesse tema durante a sua intervenção. "Em Portugal, o negacionismo é de esquerda e o Congresso do PCP é um bom exemplo", afirmou Telmo Correia.

PUB

Para o deputado, a realização dessa reunião política prova que "a lei não é igual para todos", uma vez que o Governo "precisa cada vez mais" dos comunistas. Com isso, "vai perdendo o pé e a credibilidade".

André Ventura, do Chega, juntou-se ao coro de críticas: "Talvez seja melhor ser o PCP a organizar o Natal, porque assim teremos a certeza de que haverá Natal para as famílias", ironizou.

PCP pergunta se críticas do PSD foram "mais uma encomenda do Chega"

O ministro Eduardo Cabrita, que encerrou o debate, defendeu o direito dos partidos desenvolverem atividade política mesmo em estado de emergência, recordando que a lei que o possibilita foi aprovada por um governo de Cavaco Silva.

"Estamos a tomar todas as decisões excecionais ao abrigo da Constituição e ao abrigo à lei do estado de emergência aprovada em 1986 sob iniciativa do governo liderado por Cavaco Silva quando era presidente da República Mário Soares", afirmou o governante.

Cabrita mostrou-se "surpreendido" por PSD, CDS e Chega "apelarem à suspensão da democracia". "É injusta a crítica feita ao presidente da República, porque o decreto presidencial não pode proibir o que está na lei proibido proibir", referiu, insistindo que "a pandemia não suspende a democracia".

Na sua intervenção, o líder parlamentar do PCP, João Oliveira, garantiu que o congresso se vai realizar "com todas as condições de segurança sanitária", servindo como "exemplo" daquilo que os comunistas defendem "para todas as áreas de atividade no país".

O deputado também questionou o PSD se a insistência laranja acerca do congresso comunista "foi mais uma encomenda do Chega que o PSD cumpriu".

João Oliveira salientou ainda que o PCP se opõe a que a vida do país seja "proibida ou suspensa". Os comunistas, recorde-se, voltaram a votar contra o estado de emergência.

Além do PCP, também PEV, Iniciativa Liberal e Chega se opuseram à renovação do estado de exceção. Este foi, no entanto, aprovado com os votos favoráveis de PS e PSD e as abstenções de BE, CDS e PAN.

Outras Notícias