"Autoritário"

Dirigente do PAN saiu da sala "para não votar contra" saudação a André Silva

Dirigente do PAN saiu da sala "para não votar contra" saudação a André Silva

Albano Lemos Pires, membro reeleito da direção do PAN e marido da deputada Bebiana Cunha, saiu da sala onde decorria o Congresso do partido durante um voto de saudação a André Silva. "Senão, tinha votado contra", relatou ao JN. Também admitiu divergências com o agora ex-líder, que descreveu como "autoritário".

"Várias outras pessoas fizeram o mesmo", acrescentou o também deputado municipal em Matosinhos, referindo-se à sua decisão de abandonar a sala no momento da votação. A saudação a André Silva acabaria aprovada por unanimidade pelos congressistas que permaneceram no espaço.

Para Albano Lemos Pires, a maioria dos militantes queria um PAN mais "feminino" e "delicado", o que não se coadunava com o perfil mais "autoritário" de André Silva. Além disso, o ex-líder "funcionava muito por 'sound bites' [frases impactantes]", afirmou o dirigente; já Inês Sousa Real, a nova porta-voz, é mais uma "corredora de maratona".

"Os sound bites resultam quando se é deputado único, para lançar os temas. Mas, depois, esgotam-se", afirmou o dirigente. E teria André Silva mais reservas do que Inês Sousa Real em apoiar um futuro Governo do PSD? "É precisamente o oposto", considerou Albano Pires.

"Ganhar o tempo perdido"

Há cerca de uma semana, o dirigente tinha partilhado uma entrevista de Inês Sousa Real ao "Público", em que esta garantia que o PAN "nunca estará presente" num Governo que inclua o Chega. Na descrição, Albano Nunes escreveu: "Finalmente o PAN tem uma estadista com coluna vertebral como porta-voz. Força, Inês. Vamos lá ganhar o tempo perdido".

PUB

Segundo o dirigente, o apoio ao ex-líder era já minoritário, circunscrevendo-se, sobretudo, à distrital de Setúbal. Este grupo apresentou uma das três propostas de alteração de estatutos do partido, que apenas colheu 12 votos; a de Inês Sousa Real foi aprovada, com 103.

Albano Pires diz que essas divergências são, em parte, fruto de o PAN congregar "gente de diferentes espectros políticos": os militantes de Setúbal - cidade governada pela CDU -, tendem a nutrir um "anti-comunismo primário"; já no seu caso, por viver no Norte, está mais habituado a combater autarquias e políticas de Direita.

Questionado sobre se, a seu ver, André Silva irá manter-se no PAN, Albano Lemos Pires respondeu que as intenções do ex-líder são, para si, um "mistério".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG