O Jogo ao Vivo

Política

Discurso de Ano Novo de Marcelo sem efeitos concretos para Chega e Iniciativa Liberal

Discurso de Ano Novo de Marcelo sem efeitos concretos para Chega e Iniciativa Liberal

Dois dos partidos com deputado único no Parlamento criticaram a mensagem de Ano Novo do Presidente da República. A Iniciativa Liberal afirma que Marcelo teve "um discurso sobre tudo, com efeito sobre nada", já o Chega diz que mensagem não tem algo de "concreto ou concretizável".

O líder da Iniciativa Liberal lamentou esta quarta-feira que o discurso de Ano Novo do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não tenha tido "um verdadeiro foco", tendo sido "um discurso sobre tudo, com efeito sobre nada".

"Esteve longe de ser um bom discurso. Na tentativa de ser quase ecuménico, fazendo um esforço para falar de tudo e de todos, deixou a sensação de não ter um verdadeiro foco. Um discurso sobre tudo, com efeito sobre nada", considerou João Cotrim Figueiredo à agência Lusa.

"Sem uma palavra para os muitos portugueses que sentem o país amorfo e sem dinamismo. Sem uma palavra de esperança para os emigrantes que queiram voltar, nem para os muitos que consideram sair, porque aqui não encontram oportunidades. Esperava mais deste discurso do Presidente da República", criticou.

Já para o Chega, o Presidente da República por ter feito a mensagem de Ano Novo desde "uma das regiões mais esquecidas e abandonadas", mas considerou tratar-se de um discurso sem algo de "concreto ou concretizável".

Porém, o presidente do Chega André Ventura lamenta que "nada nesta mensagem" tenha sido "concreto ou concretizável".

Na ótica de Ventura, "as vítimas das cheias, do mau tempo ou dos incêndios, os profissionais de polícia ou de saúde agredidos - como o caso da médica recentemente agredida em Setúbal - ou os professores humilhados, todas estas classes foram esquecidas por Marcelo" Rebelo de Sousa.

Por isso, o partido refere que "reforçou hoje a sua convicção de que é fundamental que surja uma forte candidatura à direita de Marcelo", alegando que "é preciso um Presidente da República atento às classes profissionais que sofrem, aos idosos esquecidos e às famílias sufocadas em impostos".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG