Exclusivo

Dois anos não chegam para alunos recuperarem aprendizagens

Dois anos não chegam para alunos recuperarem aprendizagens

Um ano após a aprovação pelo Governo do Plano 21|23 Escola+, as duas associações de diretores e a Fenprof - Federação Nacional dos Professores defendem o alargamento do plano integrado para a recuperação das aprendizagens, pelo menos, por mais um ano. A pandemia é a principal justificação apontada para a dificuldade em cumprir as metas que as escolas se propuseram alcançar em dois anos letivos.

"Na globalidade das escolas, não foi um ano perdido, mas ficou aquém das expectativas, tendo em conta a situação pandémica, e o vai e vem constante de professores e alunos, entre escola e casa", afirma Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas. Como tal, propõe que o Ministério da Educação e os diretores se sentem à mesa para analisar se será necessário alargar o plano, pelo menos, por mais um ano. "A maior parte das escolas não cumpriu os objetivos que traçou."

Falta de professores não ajudou

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG