O Jogo ao Vivo

Conferência JN

Domingos Andrade: Descentralização tornou-se "porto de abrigo para aliviar consciências"

Domingos Andrade: Descentralização tornou-se "porto de abrigo para aliviar consciências"

O administrador e diretor-geral editorial da Global Media Group, Domingos de Andrade, considera que, embora regionalização e descentralização devessem ser "sinónimos", esta última se tornou um "porto de abrigo para aliviar consciências".

Na sessão de abertura da conferência "Que Regionalização Queremos?", promovida pelo JN e que decorre esta quarta-feira em Setúbal, Domingos de Andrade caracterizou a regionalização como um processo "assombrado por avanços e recuos" e que continua a avançar a "um ritmo lento".

O administrador da Global Media Group considerou que a implementação de eleições indiretas para as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) "exclui a participação dos cidadãos", uma vez que o presidente de cada um desses organismos responde perante o Governo e não "perante quem o elegeu".

Domingos de Andrade considerou que as eleições nas CCDR são um exercício de "confusionismo democrático", citando uma expressão usada pelo ex-ministro socialista João Cravinho numa entrevista recente ao JN.

O administrador do grupo ao qual o JN pertence defendeu que a pandemia "mostrou a falta que faz um nível intermédio de legitimidade política". No entanto, para alguns opositores da regionalização, esta servirá de "pretexto" para novos adiamentos, acrescentou.

PUB

Domingos de Andrade recordou também que, nos próximos dez anos, Portugal vai receber 6,4 mil milhões de euros "por ano e a fundo perdido", questionando se o Governo vai usar "critérios regionais que permitam combater a crescente desigualdade do país" ou se, por outro lado, "cairá na tentação" de canalizar a maioria dos recursos para Lisboa.

Outras Notícias