Nacional

Três dias na vida a bordo do "Creoula"

Três dias na vida a bordo do "Creoula"

O navio Creoula e a sua tripulação (guarnição, tutores e instruendos), que chegaram à cidade da Horta no passado dia 15, não levantaram ferro no dia 17 como estava inicialmente previsto, mas partiram apenas ontem rumo a Lisboa (dia 20), sendo que teem data prevista de chegada a 27 de agosto.

Devido às condições do mar e vento durante a viagem Ilhavo - São Miguel - Faial, o comandante do Navio, Nuno Cornélio da Silva, ponderou alterar a data de saída do Creoula da Horta para o final do dia 16 de agosto e não para a manhã de dia 17, como estava programado.

No entanto, à hora de embarque obrigatório e início de preparativos para saída do porto, fomos confrontados com um comunicado: a navegação tinha recebido um alerta por parte do Centro Nacional de Furações dos Estados Unidos (NHC), que dava conta da existência de uma tempestade tropical, passível de se transformar em furacão, que se tinha formado a Este de Porto Rico e que se encontrava a evoluir para Noroeste.

A tempestade "Gordon", assim batizada, iria confluir com a nossa rota rumo à capital de Portugal pelo que, ao comandante do navio, não restou outra opção senão a de cancelar a saída. "Não quero sustos, a minha missão é a de garantir a segurança de todos e a de proporcionar uma boa experiência no mar aos que embarcaram nesta viagem, pelo que, embora o Creoula contenha condições para a viagem (estrutura e tripulação adequadas e preparadas), não há necessidade de vos fazer enfrentar situações desagradáveis", afirmou o comandante Cornélio.

A tempestade tropical, que chegou a ter categoria de Furacão de grau 1 e mesmo grau 2, acabou por atingir as ilhas de Santa Maria de São Miguel na madrugada de dia 19 para dia 20, mas com efeitos menos nefastos do que se previa (estavam previstos ventos de 150 km e ondas superiores a 14 m).

Durante este tempo de chegada e passagem do Gordon, a tripulação do Creoula aproveitou para conhecer mais e melhor a ilha do Faial e ainda foi à ilha do Pico (por ferry), visitar o ponto mais alto de Portugal.

Ao início da noite o ponto de encontro entre todos era o mesmo, o bar do Peter, conhecido e reconhecido pelos famosos gin e bolo de chocolate. Apesar do bom relacionamento com a ilha (e entre todos em geral), estas atividades paralelas estavam a cansar tanto instruendos como guarnição, por isso, foi com grande contentamento, que ontem se soube que estariam de partida ainda pela manhã, em direção ao destino final.

Depois da tempestade, vem a... outra "tempestade", as tarefas rotineiras a bordo que estavam a enferrujar por estarmos atracados, como a faina geral de mastros...