Conferências de Matosinhos

No namoro, rapazes são tão vítimas quanto as raparigas

No namoro, rapazes são tão vítimas quanto as raparigas

A vítimas da violência na conjugalidade dividem-se entre 82% de mulheres e 18% de homens. Já na violência no namoro, vários estudos nacionais e internacionais apontam para uma tendência de uma grande paridade entre os sexos, aproximando-se mesmo dos 50/50, revelou Andreia Machado, investigadora da Escola de Psicologia da Universidade do Minho.

"No namoro, os rapazes são tão alvo de violência quanto as raparigas", afirmou, citando os referidos estudos que colocam as percentagens de mulheres vítimas e homens vítimas entre os 50/50 e os 60/40.

A investigadora fez questão de salientar que o tipo de violência exercida sobre homens e sobre mulheres é diferente. "Nos homens, a mais frequente é a violência psicológica, segue-se a coação sexual e só depois vem a violência física. Nas mulheres, o principal tipo de violência sofrido é a física", pormenorizou.

Andreia Machado revelou, ainda, que há uma diferença de mentalidade perante os dois tipos de violência. "Ao contrário do que sucede com as mulheres, a ideia de que um homem é agredido por uma mulher provoca riso. As pessoas não percebem o impacto negativo que atos de violência como a humilhação e manipulação podem causar num homem", alertou.

Por isso, a docente apelou a que haja uma maior inclusão nos mecanismos de apoio. "Não é preciso criar mais respostas. Basta que a prevenção atual os inclua porque os homens também podem ser vítimas."


Conferências de Matosinhos

Outras Notícias