Nacional

Adiada leitura do acórdão de caso da Casa Pia

Adiada leitura do acórdão de caso da Casa Pia

A leitura do acórdão do julgamento dos crimes sexuais da casa de Elvas, alegadamente cometidos contra antigos alunos da Casa Pia, foi adiado para 25 de março, revelou o tribunal criminal de Lisboa.

A decisão do coletivo de juízes da 8.ª Vara Criminal de Lisboa, presidido por Ana Peres, estava programada para a próxima sexta-feira.

Contactado pela Lusa, Ricardo Sá Fernandes, advogado do ex-apresentador de televisão Carlos Cruz, disse ter sido já notificado, precisando que o adiamento da leitura do acórdão foi justificado por motivos de acumulação de trabalho daquele coletivo de juízes.

O defensor de Carlos Cruz disse que este adiamento "não é uma surpresa" porque, "infelizmente", há outros "antecedentes" nessa matéria, lembrando que a leitura do primeiro acórdão foi também adiado.

Ricardo Sá Fernandes lembra que o adiamento tem sido "uma prática constante" do processo Casa Pia, dizendo que a situação criada é "aborrecida", porque os acusados "estão sempre à espera", quando se diz que são os arguidos que "prolongam os processos".

Entretanto, o Tribunal Constitucional julgou no início deste mês improcedentes os recursos interpostos pelos arguidos Carlos Pereira Cruz, Manuel José Abrantes, Jorge Marques Leitão Ritto e João Alberto Dias Ferreira Dinis quanto à condenação a penas de prisão na outra parte do julgamento do processo Casa Pia.

Esta decisão transita em julgado no próximo dia 26, segundo um dos advogados, caso não dê entrada no Tribunal Constitucional qualquer pedido de aclaração do último acórdão.

Carlos Cruz foi condenado a seis anos de prisão, o ex-embaixador Jorge Ritto teve uma pena de seis anos e oito meses, o antigo provedor-adjunto da Casa Pia Manuel Abrantes foi condenado a cinco anos e nove meses e o médico Ferreira Diniz teve uma pena de sete anos de prisão.

O antigo motorista da Casa Pia, Carlos Silvino, é o único dos sete arguidos que está a cumprir pena de prisão, no Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Sintra.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG