Nacional

Projeto TEIP recebe positiva de diretores e do Governo

Projeto TEIP recebe positiva de diretores e do Governo

Nas secundárias mais atingidas pelo abandono escolar, insucesso, problemas de integração social e étnica e severas dificuldades económicas, como são as do projeto Territórios Integrados Educativos Prioritários (TEIP), lançado em 2006, o sucesso mede-se sobretudo pelo impacto na vida dos alunos e das famílias, mas também pelas notas obtidas nos exames nacionais.

Estas secundárias continuam a ter notas inferiores às do resto do país mas, enquanto que a média nacional tem vindo a diminuir nos últimos anos, aqui a média cai muito menos - e, em 2011, até subiu ligeiramente, contrariando o vermelho do resto do país.

Além do mais, e ao contrário do que se podia esperar, há escolas que escapam ao fundo da tabela, ou até concorrem com as melhores.

É o caso da Secundária José Gomes Ferreira (Lisboa), que sistematicamente se encontra nas 50 melhores do país. Ou também da Dr. Azevedo Neves, que nos dois últimos anos viu os alunos tirarem cada vez melhores notas nas provas nacionais. Ambas conseguiram uma média positiva nos últimos exames.

No Grande Porto, os projetos montados na Rodrigues de Freitas e Inês de Castro têm-nas mantido a meio da tabela - apesar de a Rodrigues de Freitas estar, também, a melhorar resultados desde 2010.

Estas secundárias foram as primeiras classificadas como TEIP e a receber mais meios humanos e materiais. Desde então muitas outras juntaram-se à lista (já se aprovou a 4.ª vaga) - até porque boa parte da despesa, inclusive com salários, é paga por fundos europeus, aliviando o Orçamento do Estado.

Para os diretores de secundárias ouvidos pelo JN ao longo deste suplemento, a obtenção desta classificação é, no global, positiva. A ponto de três secundárias terem conseguido este ano ver reconhecida pelo Ministério uma melhoria significativa: a já mencionada Azevedo Neves (Amadora), a Secundária de São Pedro da Cova (Gondomar) e a Prof. António Prof. António Natividade (Mesão Frio).

Mas mesmo para quem vai estando no fundo da tabela das notas dos exames a inclusão no projeto TEIP é dada como positiva. António Pereira, diretor do agrupamento onde se integra a Secundária de Maximinos, em Braga, nota melhorias no Básico, apesar de ainda sem reflexo no Secundário. "Pelo rótulo de escola problemática, eu tinha uma desconfiança, que caiu quando comecei a trabalhar", disse.

A maior parte das TEIP são, contudo, estabelecimentos do Ensino Básico. Foram todas alvo de um estudo por parte da Direção-Geral da Educação que encontrou fortes melhorias em indicadores como o abandono escolar, a indisciplina ou o insucesso escolar.

Outras Notícias