Clima

Capitalismo ecológico

Capitalismo ecológico

Utopia? Não digam isso a Paulo Magalhães. "Utopia é continuar a fazer conferências internacionais para baixar as emissões sem alterar as regras", diz o ambientalista, membro da Quercus, investigador em Sociologia na Universidade Nova de Lisboa e autor do livro "O condomínio da Terra - Das alterações climáticas a uma nova concepção jurídica do Planeta".

Utopia, sublinha o ambientalista portuense, é pensar que podemos continuar a viver como se o Planeta fosse inesgotável, como se a Amazónia fosse só do Brasil, como se não estivesse tudo ao contrário. "Temos de inverter valores. Uma floresta só entra no PIB de um país quando é transformada em madeira, quando está viva vale zero", afirma Paulo Magalhães.

Formado em Direito, integra a equipa da associação ambientalista Quercus que está a ultimar a proposta que vai levar à próxima conferência das Nações Unidas sobre Ambiente, a Rio+20. O nome é tudo: esta conferência (que se realiza em Junho de 2012) acontece 20 anos depois da famosa Cimeira da Terra, também no Rio de Janeiro. Foi nessa altura que se abordou pela primeira vez à escala das Nações Unidas a questão das alterações climáticas.

Uma Cimeira de Copenhaga (2009) falhada depois, a economia verde deixou de ser uma ideia para se ir pensando e tornou-se uma urgência. O que a Quercus sugere é que se tome medidas à escala global para mudar o paradigma económico, reorientando o Mundo para a economia verde, à luz de um princípio de justiça universal. Um sistema em que se lucra ao contribuir para o bem comum e se paga pelo prejuízo causado - o chamado eco-saldo.

"Tem de haver um suporte jurídico global que seja a base para esta contabilidade", refere Paulo Magalhães. No final do processo, a Terra seria gerida como um condomínio, isto é, um lugar que é de todos, com a vigilância das regras a caber a uma Organização Mundial do Ambiente. Isto contraria a competitividade histórica da Humanidade, admite. "O grande desafio deste século é organizar a interdependência ecológica", refere.