Legislativas

Duarte Cordeiro rejeita que PS tenha cometido erros durante campanha

Duarte Cordeiro rejeita que PS tenha cometido erros durante campanha

O diretor de campanha do PS, Duarte Cordeiro, recusou que a campanha eleitoral socialista tenha incorrido em erros, apesar de António Costa ter começado a pedir maioria absoluta e ter acabado a pedir "diálogo com todos". "Muitas vezes, as expectativas não são formadas por nós", justifica, em exclusivo ao JN.

Questionado, momentos antes do início do comício de encerramento do PS, no Porto, sobre se a campanha socialista correu mal, Duarte Cordeiro foi perentório: "Não. Sempre dissemos que, no momento que o país atravessa, era desejável haver estabilidade", afirmou, aludindo aos pedidos de maioria absoluta que, entretanto, o partido deixou cair.

"Nunca escondemos o que entendíamos que podiam ser os melhores cenários de estabilidade, mas isso também não significou, em momento algum, que deixássemos de dizer que governávamos nas circunstâncias em que os portugueses desejassem", prosseguiu o também secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares.

"Muitas vezes, as expectativas não são formadas por nós, mas sim pela comunicação social ou pelas pessoas", defendeu Cordeiro. "Acreditámos sempre que estas eleições exigiam, da nossa parte, um enorme esforço de mobilização e de capacidade para convencer os portugueses", assegurou, referindo que o partido queria ter uma campanha "em crescendo" e conseguiu fazê-lo.

Tal como António Costa, também Duarte Cordeiro evitou esclarecer se o PS prefere chegar-se à Esquerda ou ao PSD caso vença as eleições e não tenha maioria. "Para isso, precisamos de saber os resultados", limitou-se a responder, lembrando que os socialistas estão "disponíveis para falar com todos os partidos com exceção do Chega".

Aos portugueses, Cordeiro compromete-se a fazer o país "crescer e melhorar os rendimentos", embora "de forma muito diferente da Direita": ""Vamos continuar a ter SNS e SS públicos e, connosco, não há qualquer tipo de entendimento com a extrema-direita", concluiu.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG