Religião

Associações de pais defendem que missas na escola violam Constituição

Associações de pais defendem que missas na escola violam Constituição

A Federação Regional de Lisboa das Associações de Pais considera inaceitável a celebração de missas nas escolas, por violar artigos da Constituição, e solicitou esclarecimentos ao ministro da Educação, pedindo-lhe que "reponha a normalidade".

Em comunicado, a Federação Regional de Lisboa das Associações de Pais (FERLAP) afirma não se rever na opinião do presidente da Confederação de Pais (CONFAP) que, na sexta-feira, numa reação a uma notícia divulgada pelo JN, disse não ter "nada contra" a realização de missas em escolas "desde que ninguém seja prejudicado".

Segundo a FERLAP, a realização de missas em escolas é "inaceitável" e viola, pelo menos, dois artigos da Constituição da República Portuguesa: o princípio da igualdade e o da liberdade de consciência, de religião e de culto. Por isso, a federação exige o cumprimento da Constituição.

Por considerar tratar-se de um assunto de "extrema importância", a federação enviou um ofício ao ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, a solicitar esclarecimentos, bem como a "tomada das medidas necessárias à reposição da legalidade".

Na sexta-feira, o presidente da CONFAP disse não conhecer nenhuma escola onde fosse celebrada missa, mas admitiu que eram celebradas homilias durante o horário letivo nas escolas públicas portuguesas.

Jorge Ascensão reagia a uma denúncia da Associação República e Laicidade, que referia haver escolas, sobretudo no norte de Portugal, a realizar missas durante o horário letivo.

O presidente da CONFAP disse ainda que, a ser verdade, havia "alunos a serem discriminados" e defendeu a necessidade de uma reação do Ministério da Educação.