Nacional

Caloiros da Católica vão colher batatas

Caloiros da Católica vão colher batatas

Os alunos que entram este ano na Católica Lisbon School of Business & Economics vão passar a tarde de quarta-feira a apanhar batatas em campos da Golegã, numa iniciativa inserida no projeto "Restolho", que visa apoiar instituições de solidariedade.

O projeto Restolho - http://www.restolho.org/ -, que decorre sob o lema "uma segunda colheita para que nada se perca", surgiu em 2013 de uma parceria entre a Federação dos Bancos Alimentares, a EntreAjuda, a União Agrícola do Norte do Vale do Tejo (Agrotejo) e o entreposto comercial Agromais, visando aproveitar os produtos que ficam nos campos por terem calibre inadequado ou pequenos defeitos.

Alexandra Fernandes, da Agrotejo, responsável pelo projeto, disse à agência Lusa que a recolha tem sido feita por voluntários, inicialmente de empresas que aproveitavam a ação para iniciativas de 'team bulding', mas agora alargada a todos os que se queiram inscrever (clicando em "envolvimento" no site do projeto).

O desafio da EntreAjuda, uma das parceiras do projeto, à Universidade Católica levou a que a sétima edição do Dia Solidário (destinado à integração dos novos alunos) decorra nos campos da Golegã, num alerta para a importância do combate ao desperdício alimentar, já que se estima que cerca de um milhão de toneladas de alimentos vão para o lixo em Portugal em cada ano (cerca de 17% do que é produzido).

Alexandra Fernandes disse à Lusa que, tendo em conta os 1.500 associados da Agromais e da Agrotejo, no Ribatejo e no Alentejo, é possível desenvolver ações ao longo do ano, aproveitando os restos deixados nos campos de uma ampla variedade de culturas, que têm sido encaminhadas para os bancos alimentares de Santarém e de Beja.

No ano de 2014 foram recolhidas cerca de 13 toneladas de produtos, disse, sublinhando a importância da adesão dos voluntários ao projeto e da sua replicação noutras zonas do país.