O Jogo ao Vivo

Legislativas 2015

Costa diz ter "mandato claro" do PS para negociar com todos os partidos

Costa diz ter "mandato claro" do PS para negociar com todos os partidos

O secretário-geral do PS afirmou, esta quarta-feira, ter um mandato "claro" para iniciar negociações com todos os partidos parlamentares para a formação do novo Governo e vincou que nunca ignoraria as posições do PCP e Bloco de Esquerda.

Estas posições foram assumidas por António Costa no final de quatro horas de reunião da Comissão Política Nacional do PS, que, por ampla maioria, mandatou o secretário-geral socialista para iniciar conversações com todas as forças com representação parlamentar, tendo em vista a formação de um novo Governo.

Segundo António Costa, da Comissão Política Nacional do PS, resultou "um mandato claro para as negociações que haverá pela frente".

PUB

"O mandato que temos é para falar com o conjunto das forças políticas. Neste quadro parlamentar que é novo e que exige de todos um grande sentido de responsabilidade para o país, vamos avaliar e tentar encontrar boas soluções programáticas para o país", completou o líder socialista.

Questionado se já falou com o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, sobre a formação do novo Governo, o secretário-geral do PS respondeu com um rotundo "não".

Interrogado sobre as condições para haver um Governo entre o PS, o PCP e Bloco de Esquerda, António Costa começou por referir que havendo um partido com mais deputados - o PSD - é natural que lhe incumba o ónus de procurar soluções de governabilidade".

"Mas devemos falar com todas as forças políticas sem exceção. É sabido que há muitos meses, entre as deliberações do PS, está a recusa do conceito de arco da governação - um conceito que, negativamente, tenta delimitar quem são as forças políticas que podem participar em soluções governativas", referiu.

Ainda justificando o diálogo à esquerda, António Costa afirmou depois que "nunca poderia ser indiferente" a registar as declarações do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, após as eleições, sobre a necessidade de formação de um Governo de esquerda, nem ignorar que a porta-voz do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, também já depois das eleições, reafirmou as condições para a formação de um executivo de esquerda.

Já sobre a possibilidade de um "Bloco Central" PSD/PS, o líder socialista definiu como "pouco saudável" essa fórmula de Governo para a democracia portuguesa, "salvo em situações de emergência".

"Acho que esta campanha eleitoral foi clara na diferenciação de propostas entre a coligação de direita e o PS. Há uma enorme distância - e isso seria não cumprir o mandato que os eleitores nos deram", justificou.

A seguir, o secretário-geral do PS frisou que os socialistas terão "sentido de responsabilidade, espírito de diálogo e de compromisso, sabendo que nenhuma forma dispõe de maioria absoluta no parlamento".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG