Portugal a votos

Costa não viabiliza orçamentos da Direita

Costa não viabiliza orçamentos da Direita

O secretário-geral socialista deixou esta sexta-feira claro que o PS não vai viabilizar o próximo Orçamento de Estado (OE), se a coligação PSD/CDS-PP ganhar as eleições.

"A última coisa que fazia sentido é o voto no PS, que é um voto de pessoas que querem mudar de política, servisse depois para manter esta política. É evidente que não viabilizaremos, nem há acordo possível entre o PS e a coligação de Direita", disse António Costa, em entrevista à Antena 1.

Esta declaração surge depois da recusa do líder socialista em aceitar o desafio, feito no debate de quinta-feira nas rádios pelo líder do PSD, Passos Coelho, para que, depois das eleições, se sentassem à mesa para "um acordo de regime " para a Segurança Social. "Não terá o nosso apoio para o corte de 600 milhões", respondeu o líder do PS.

As declarações de António Costa sobre o chumbo de um futuro OE da Coligação mereceram repúdio da parte do eurodeputado do CDS-PP, Nuno Melo. "O dr. António Costa não constrói, destrói. O dr. António Costa significa o "eu, ou ninguém". O dr. António Costa não se coíbe de chantagear em cima de um ato eleitoral quem terá de escolher e votar, sabendo que a contrapartida é a paralisação de Portugal", disse, num almoço na Guarda. Também Marcelo Rebelo de Sousa, ontem em campanha em Braga, criticou a declaração de Costa, classificando-a de "desestabilizadora" para a Democracia.

Ontem , o líder do PS passou de manhã pelo Montijo e teve um almoço no Seixal, onde defendeu um Governo com maior paridade entre géneros e o fim da exclusão das mulheres solteiras no acesso à procriação medicamente assistida (PMA), num discurso com muitas críticas à corrente conservadora.

No almoço participaram a mãe de António Costa, Maria Antónia Palla, e a cabeça de lista do PS por Setúbal, Ana Catarina Mendes, que se insurgiu contra o discurso "salazarento, bafiento e conservador" do líder do CDS-PP, Paulo Portas, sobre o papel das mulheres na sociedade".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG