Pedro Passos Coelho

Lesados do BES protestam durante discurso de Passos e Portas

Lesados do BES protestam durante discurso de Passos e Portas

Passos Coelho e Paulo Portas discursaram perante apoiantes numa praça em Marco de Canaveses, ao mesmo tempo que ao fundo decorria um protesto de dezenas de lesados do BES, abafado pelo ruído de campanha da coligação PSD/CDS-PP.

"Queridas amigas, meus queridos amigos, bom dia Marco de Canaveses! Muito obrigado. Quero apenas dirigir uma palavra a todos aqueles que estão aqui a apoiar-nos para lhes dizer que temos tido a cada dia que passa uma onda cada vez mais forte ", declarou o presidente do PSD, Passos Coelho, falando ao microfone, em cima de um banco de cimento, com o presidente do CDS-PP, Paulo Portas, ao seu lado.

O discurso do presidente do PSD, difundido por colunas espalhadas pela praça, mais as palavras de apoio à coligação Portugal à Frente e os Bombos de São Lourenço, dispostos mesmo em frente ao lugar onde se concentrava a maioria dos chamados lesados do BES, abafavam o seu protesto. Mas estes eram facilmente visíveis e identificáveis pelas camisolas e bandeiras negras. À sua frente, estavam alguns agentes da GNR.

Os apoiantes da coligação PSD/CDS-PP, contudo, superavam claramente o número de manifestantes. Erguendo bandeiras azuis e cor de laranja, aglomeraram-se em redor de Passos Coelho e Paulo Portas.

Neste cenário, Passos Coelho lamentou "que haja ao fim de 41 anos de democracia em Portugal quem ainda não tenha aprendido a lição democrática e considere que a campanha eleitoral não é o momento para unir os portugueses, mas para os dividir", e pediu a quem acompanha esta campanha eleitoral a partir de casa que condene esses comportamentos.

Por sua vez, Paulo Portas afirmou que "a democracia é o respeito pela opinião de todos" e falou num futuro com "uma carga fiscal mais moderada para haver mais emprego e mais investimento", dirigindo-se para os apoiantes da coligação PSD/CDS-PP: "Precisamos da vossa força, precisamos da vossa mobilização. Respeitamos todos, mas não nos desviamos da nossa direção. Viva Marco de Canaveses, viva o Norte!".

Antes de regressar ao carro, o presidente do PSD agradeceu também aos apoiantes: "Obrigado pelo apoio extraordinário que nos estão a dar, obrigado pela imagem serena, tranquila, confiante que estamos a transmitir ao país, e continuem connosco".

Já com o presidente do PSD dentro do carro, um ou dois manifestantes tentaram bater na viatura.

Este protesto de pessoas que se consideram lesadas pelo BES contou com "cerca de 60 pessoas que vieram do Porto de camioneta, e alguns em carro particular", de propósito para confrontar a coligação PSD/CDS-PP, disse à Lusa um dos manifestantes, Manuel, de 66 anos, natural de Espinho.

"Era para ser no Porto, mas à última da hora foi desviado para aqui. Estava organizado com mais ou menos 150 pessoas, que fazem aqui a parte Norte, por assim dizer. Simplesmente, alguns ainda estão no Porto, porque isto era para ser no Porto", explicou.

Referindo-se ao presidente do PSD e primeiro-ministro, o mesmo homem disse que estavam a protestar "para ele ter consciência daquilo que disse, do que diz e do que pode fazer, porque é ele que tem influência sobre o Banco de Portugal".

E referiu que muitos manifestantes até são do PSD: "Não queremos nada com o partido, que nós a maioria até somos do partido, por isso está a ver. Todos não digo, mas a maioria. O problema é estarmos sem 5 milhões de euros, no global".

ver mais vídeos