O Jogo ao Vivo

Presidenciais

Eleitores impedidos de votar porque o boletim já estava na urna

Eleitores impedidos de votar porque o boletim já estava na urna

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) recebeu, até às 18 horas deste domingo, "cerca de uma dezena reclamações" de eleitores que foram impedidos de votar, porque no caderno eleitoral constava a informação de que já teria cumprido o seu direito, há uma semana, na votação antecipada.

O porta-voz da CNE, João Tiago Machado, adianta, ao JN, que as queixas "serão analisadas antecipadamente", sem poder, "para já", adiantar qualquer explicação para o sucedido: "É um processo que carece de investigação".

Os eleitores em causa inscreveram-se no voto antecipado em mobilidade, mas não se deslocaram à urna. Quando este domingo se apresentaram na mesa para votar, foram impedidos de o fazer, porque alguém já o teria feito por eles. Foi-lhes, inclusivamente, exibido o envelope azul com a sua identificação, de onde, de manhã, foi retirado o boletim para ser inserido na urna. Por isso, vai ser contabilizado, garante o porta-voz da CNE. "Depois, possivelmente o juiz vai pedir os boletins da secção de voto em causa e depois decidirá o que fazer", acrescenta.

Gonçalo Nunes é um dos queixosos: apresentou queixa, por escrito, na mesa de voto número 6 da escola Vieira da Silva, em Carnaxide, onde quis votar e não pôde. "A CNE disse-me que não há muito a fazer. Pediu-me para enviar um email a explicar a situação. Também fiz queixa na polícia, mas não serve de muito."

Aconteceu o mesmo a Francisco Matos, em Cascais: "Sugeriram-me que apresentasse queixa no site da CNE, porque seria mais rápido. Mas conheço mais pessoas que tiveram o mesmo problema e sei que houve até um senhor, que até acabou por votar."

Foi o caso de Cláudia Costa, em Vila do Conde. "Fiz participação na mesa de voto, entraram em contacto com a Câmara e o responsável pelas eleições da autarquia deixou-me votar. Vão ter que redigir uma ata, porque a minha mesa vai ter um voto a mais. Disseram-me que o tribunal iria analisar o caso para apurarem as responsabilidades."

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG