Estudo

Escolas portuguesas preparam para a segurança online

Escolas portuguesas preparam para a segurança online

Os alunos portugueses do 8.º ano revelaram ser dos melhores em literacia informática e Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC).

Num relatório da Associação Internacional para a Avaliação do Desempenho Educacional (IEA), divulgado hoje, 73% dos estudantes responderam que aprenderam na escola a importância de mudar as passwords com regularidade - a média entre os 14 sistemas de ensino avaliados é de 55% - e 72% aprenderam a confirmar a origem de emails e anexos (média é de 49%).

Os portugueses, aliás, ficaram sempre acima da média: 91% responderam que aprenderam nas aulas a sair dos computadores partilhados (média é de 81%) e 85% a partilhar informação publicada pela Imprensa de forma responsável (média é de 75%). Portugal fica aquém das médias na percentagem de alunos que usam diariamente as TIC como ferramenta nas aulas (7%, quando a média é de 18%) e para estudar fora da escola (10%, numa média é de 29%).

O relatório sublinha que as escolas portuguesas são das que melhor preparam os alunos para recolherem informação online de forma segura: 99% dos alunos que frequentam escolas onde os diretores tomam medidas de segurança online dizem que é proibido o acesso a conteúdos inapropriados, como pornografia, e 88% declaram que e o cyberbullying não é tolerado. Apesar do controlo, 82% dos alunos dizem usar os computadores das escolas para jogar (média é de 69%).

só 2% fazem avaliação crítica

O estudo pretendia analisar se os alunos estão a ser preparados para estudar e viver num mundo digital e apenas 2% dos alunos dos 14 sistemas de ensino manifestaram habilidade para avaliar criticamente a informação recolhida online. E 18% não atingiram o nível mais baixo da escala de conhecimentos informáticos.

O relatório alerta para a existência de um fosso digital entre os alunos socioecomicamente mais e menos favorecidos. E que não basta equipar as escolas para se desenvolver a literacia digital. Os alunos têm de aprender a usar os computadores mais eficazmente e os professores precisam de formação para aplicarem mais as TIC. v

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG