João Paulo André, autor do livro "Poções e Paixões - Química e Ópera", proferiu uma conferência, a convite do Politécnico do Porto, que aliou os conhecimentos da ciência ao mundo da arte.

Conteúdo PatrocinadoEnsino Superior

Conferência do IPP debate a presença da química na ópera

Conferência do IPP debate a presença da química na ópera

Depois de Alexandre Quintanilha e Carlos Fiolhais, o docente e investigador João Paulo André proferiu uma conferência subordinada ao tema "Vida e Veneno: Reflexões Químicas Sobre a Ópera".

João Paulo André é licenciado e doutorado em Química (pela Universidade de Coimbra e Universidade de Basileia, respetivamente) e atualmente é docente na Universidade do Minho. Os seus interesses científicos e académicos incluem o desenvolvimento e caracterização de complexos metálicos para imagem médica, a história da química e a divulgação científica.

É autor de uma análise crítica da presença da química e da farmácia na obra de Eça de Queiroz (in Dicionário de Eça de Queiroz, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 2015) e do livro "Poções e Paixões - Química e Ópera" (Gradiva, 2018). O que há em comum entre a poção de amor de Tristão e Isolda, os voos das bruxas em vassouras, a morte de Hamlet, a mãe do imperador Nero, Marilyn Monroe e Puccini? Com João Paulo André percebe-se que a química está em todo o lado e que a ópera é um espectáculo muito mais rico do que a habitual trama em que "barítono ama soprano que, por sua vez, está profundamente apaixonada pelo tenor".

As Conferências do Politécnico apresentam-se como um espaço de diálogo entre múltiplos saberes, de partilha de conhecimento e de cruzamento de experiências distintivas nos domínios da ciência, da educação e da cultura em sociedade. Os conferencistas convidados são individualidades reconhecidas, cuja intervenção no espaço público, no âmbito das temáticas, é unanimemente reconhecida. Em 2019 estão confirmados nomes de individualidades como Luís Portela e Isabel Pires de Lima.