Lá Fora

Comerciantes desesperam oito meses após o incêndio de Notre Dame

Comerciantes desesperam oito meses após o incêndio de Notre Dame

Mais de oito meses e meio após o incêndio que, a 15 de abril, destruiu parcialmente a catedral de Notre-Dame - um dos ícones mais célebres de Paris e de toda a Europa - os comerciantes de Île de la Cité confessam-se desesperados, com quebras nos negócios que chegam a ultrapassar os 60%.

As cafetarias e as tradicionais lojas de recordações situadas nas ruas envolventes à catedral de Notre Dame são os setores mais afetados, nos quais se sucedem os despedimentos e a maioria das empresas está à beira da falência.

"O volume de negócios diminui de 40% a 60% em relação a 2018. No total, desde o incêndio, 35 pessoas foram despedidas", diz Patrice Le Jeune, presidente da associação de comerciantes local, citado pelo jornal "Le Parisien". Na mesma publicação, Roger-Frédéric Riard, gerente da Cervejaria Esmeralda, refere que a situação é "catastrófica".

"Depois de menos 35% de faturação desde setembro em relação ao mesmo período de 2018, estamos desde o início de dezembro com perdas de 50% e, em alguns dias, de 70%", sublinha.

Para tentar amenizar um pouco a situação e fazer com que os turistas se detenham mais um pouco no local, foi recentemente inaugurada nas paliçadas que delimitam o recinto da catedral uma exposição de fotos de Patrick Zachmann, da agência Magnum, com imagens que documentam a violência das chamas e da intervenção dos operacionais durante o combate a estas.

Não sendo a solução definitiva, a exposição é para os comerciantes, no entanto, uma luz de esperança, uma vez que tem feito com que os transeuntes passem mais na zona, para observar as imagens e ler os textos que as acompanham.

"É uma bela exposição, positiva e esperançosa, que saúda o renascimento de Notre-Dame", destacou, no dia da inauguração, o general Jean-Louis Georgelin, presidente e diretor-executivo da instituição pública responsável pela reconstrução da catedral.

A recuperação do icónico monumento está atualmente dificultada, porque há que ultrapassar uma situação ambiental preocupante: é preciso remover toneladas de chumbo que estavam no telhado e na torre da catedral, que derreteram com o fogo e derramaram em forma de partículas.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG