Companhia Ilimitada

Há 57 anos a ajudar a ver o Mundo por olhos diferentes

Há 57 anos a ajudar a ver o Mundo por olhos diferentes

Promover a integração de pessoas com problemas de saúde mental, sobretudo com trissomia 21, levou à criação da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM), a 2 de fevereiro de 1962. Em época de celebrar o 57 º aniversário, faltam verbas para renovar instalações.

À época da fundação da APPACDM, as políticas públicas de apoio eram nulas e foram os pais, com auxílio de alguns profissionais de saúde, que avançaram com o projeto. Agora, na semana em que comemora o 57.º. aniversário, o clima é de festa para os os cerca de 700 utentes, mas, entre os responsáveis, há a preocupação com a falta de capacidade financeira para a renovação das instalações do polo da Ajuda, que acolhe 90 pessoas em regime de apoio ocupacional.

"É um edifício desadequado para o fim a que se destina e tem custos de manutenção elevadíssimos", descreve ao JN Urbano Mário Matos, presidente da APPACDM.

A associação tem várias valências, distribuídas por Lisboa, Almada e Cascais, mas é aquele núcleo junto ao Palácio Nacional da Ajuda que mais preocupa. "O objetivo era encontrar um novo espaço, mas, pelos vistos, o município de Lisboa não tem terrenos disponíveis. Depois, o edifício é do Estado, foi-nos cedido, mas o próprio Estado não pretende intervir naquele património", explica.

O recurso a meios próprios afigura-se impossível para a associação. "Temos algum património, mas, mesmo que o entregássemos como contrapartida, não chegaria", explica Mário Matos.

A APPACDM, que, em 1978, inaugurou a primeira creche inclusiva em Portugal, foi crescendo, mas as mudanças na lei entretanto operadas levaram a que as crianças fossem acolhidas pelo sistema público até ao final da escolaridade. Atualmente, a associação presta apoio ao nível de apoio ocupacional, dá formação profissional e tem ainda uma componente residencial. A par disto, os seus técnicos estão também presentes em 13 agrupamentos escolares.

PUB

E, como cada utente tem a sua própria história, as estratégias são também diferentes, embora com um objetivo comum: ensinar a viver no Mundo com a noção de que "não são menos que os outros, são diferentes", destaca o presidente.

Na sala de convívio da sede, na zona do Alto de São João, em Lisboa, os utentes veem televisão, jogam matraquilhos e às cartas. Há entusiasmo, rivalidades futebolísticas e outras. E há também talentos que não se escondem: grupos de teatro, dança, música e até uma rádio amadora. "O objetivo é dar-lhes maior qualidade de vida dentro das suas limitações", explica Mário Matos, sublinhando que as tarefas diárias "permitem um conjunto de relações sociais que os estimulam"

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG