O Jogo ao Vivo

Premium

Abrir as portas de casa através do telemóvel

Abrir as portas de casa através do telemóvel

Uma caixa que se liga a um intercomunicador, a um teclado e a fechaduras eletrónicas, permitindo abrir portas de casas através de uma mensagem de telemóvel, de uma aplicação móvel ou do próprio teclado.

A homeit Box, da startup Homeit, é a ferramenta que está a revolucionar a forma como os proprietários do alojamento local gerem a entrada e saída de clientes.

A ideia surgiu entre 2015 e 2016, quando André Roque, CEO da empresa, se dedicou ao aluguer de casas em Lisboa. O economista vivia no Reino Unido e pediu a ajuda do amigo Gustavo Silva, atualmente diretor de marketing da Homeit, para fazer a manutenção dos espaços. "Foi aí que me deparei com algumas necessidades. Percebi o quão difícil era gerir apartamentos, ter que me deslocar para ter encontros com hóspedes, a qualquer hora. Então, eu e o André percebemos que seria interessante que existisse um produto que nos permitisse, à distância, dar entrada destas pessoas, mas também de serviços de limpeza, por exemplo", conta Gustavo, adiantando que, do aluguer de casas, que durou uns meses, passaram rapidamente para a criação de um protótipo de um sistema eletrónico que resultou na homeit Box.

Neste trabalho foram ajudados por Pedro Viana e Pedro Mendes, arquiteto e engenheiro de software, respetivamente, que acabaram, também, por estar na fundação da empresa, sediada na Startup Braga. Concretamente, a Homeit vende pacotes com uma caixa, teclado e uma solução de fechadura eletrónica, tendo parceiros que procedem à instalação do equipamento. Depois, os arrendatários estão aptos a gerar códigos (chaves virtuais) para cada hóspede, que fica com três opções: abrir a porta através de uma aplicação móvel (app), utilizar o teclado que está no exterior da casa ou enviar uma mensagem (SMS). "O acesso limita-se ao tempo de estadia", afirma Gustavo Silva, falando de um sistema "seguro".

Atualmente, a homeit Box está presente em 1305 casas de 15 países, entre eles Brasil e Moçambique. O objetivo é, em cinco anos, chegar a 80 mil lares, sobretudo na Europa. De acordo com Gustavo Silva, a empresa, agora com 14 colaboradores, está prestes a lançar uma segunda campanha de investimento, através de crowdfunding, para angariar 500 mil euros que vão "melhorar o produto" e "automatizar o processo", com integrações a outras plataformas do setor. O responsável fala da intenção de se ligar aos "channel managers", uma ferramenta de software que comunica com vários canais de reserva ao mesmo tempo, desde a Booking ao Airbnb, e facilita a gestão de preços e o calendário.

ver mais vídeos