Fungos para travar a erosão dos solos

Fungos para travar a erosão dos solos

A preocupação com as consequências provocadas pelos incêndios está a unir vários países da Europa, que procuram em conjunto soluções para definir as melhores estratégias na recuperação dos solos.

O Life Reforest, por exemplo, une portugueses e espanhóis na avaliação da utilização de tecnossóis (substratos criados artificialmente com resíduos orgânicos para ter características específicas e são similares a solos) a que se adicionam fungos, para evitar a erosão. O EPyRIS junta à Península Ibérica peritos do Sul de França, para definir quais os melhores procedimentos a implementar nas áreas protegidas devastadas pelas labaredas. Os dois dão agora os primeiros passos.

Um consórcio luso-espanhol começou este mês a estudar novas estratégias para reduzir a erosão dos solos após incêndios, através da utilização de um tecnossol com resíduos orgânicos inoculados com fungos (micotecnossol). Denominado Life Reforest, o projeto é liderado pelo Centro Tecnológico de Investigação Multissetorial especialista em Eco Bio Tecnologias, Materiais Avançados e Indústria Digital e integra também a associação florestal portuguesa Forestis, a Universidade de Aveiro, a Associação Florestal de Galicia, Hifas da Terra, os Indutec Ingenieros e a Tratamientos Ecológicos del Noroeste. O projeto foi desenvolvido no âmbito do programa Life e tem a duração de três anos, com cofinanciamento pela Comissão Europeia. Custará 1,5 milhões de euros.

Criar barreiras

Após os incêndios, explica Jacob Keizer, especialista da Universidade de Aveiro em erosão de solos e membro deste projeto, "há um maior risco de erosão, pois a vegetação desaparece e o solo deixa de estar protegido, há acumulação de cinzas e o solo tem um grande aquecimento que pode destruir a sua estrutura e deixá-lo mais vulnerável à erosão".

Com esta técnica, que nunca foi utilizada no Mundo, a intenção é somar barreiras físicas e biológicas. "Vamos avaliar uma ideia nova sobre como travar a erosão pós-fogo, baseada em dois princípios: criar barreiras e melhorar as condições do solo introduzindo sementes e fungos para promover a recuperação de vegetação", explica Keizer.

Nos terrenos a definir para a experiência-piloto, "serão colocados rolos de material biodegradável e resíduos orgânicos, criando um tecnossol inoculado com fungos. O rolo vai desfazer-se ao longo do tempo, criando um filtro contra a erosão", concretiza. Os fungos, que ainda serão selecionados, terão como função "decompor os resíduos, criar simbioses com plantas e agregar os solos".

No próximo verão será possível avançar com experiências no terreno. Entretanto, "serão analisados os diferentes tipos de solo existentes e realizados testes de laboratório para ver como se comportam, serão selecionados os melhores fungos e analisado o comportamento do tecnossol em vários cenários", conta Keizer.

O projeto será testado em duas áreas-piloto a definir, localizadas em Portugal e noroeste de Espanha.

Segundo a Forestis, o projeto, além de validar o uso do tecnossol, "contribuirá para o desenvolvimento e implementação de políticas europeias em relação ao meio ambiente, proporcionando uma nova solução para atingir os objetivos ambientais e climáticos estabelecidos pela União Europeia", de acordo com "a estratégia temática sobre os solos, a estratégia florestal e as diretivas relacionadas com a contaminação da água". .

ver mais vídeos