Companhia Ilimitada

Rei dos Queijos devolvido à cidade (E não é gourmet)

Rei dos Queijos devolvido à cidade (E não é gourmet)

Ressuscitou um dos estabelecimentos históricos do Porto. O Rei dos Queijos, na Rua do Bonjardim, fechou portas há seis anos e parecia condenado ao abandono. Mas ganhou nova vida graças à aposta de três sócios - o arquiteto Filipe Afonso e os designers industriais Alzira Peixoto e Carlos Mendonça - e reabriu em finais de maio.

Apesar da vida nova, o tempo parece não ter passado por este espaço que, quis o destino do calendário, ganhou sopro dias antes do encerramento do também histórico restaurante Regaleira, onde a francesinha foi inventada, vizinho da porta em frente.

Impera o mesmo mobiliário quase centenário, com as mesas de mármore alentejano, as cadeiras de madeira escura, os aparadores de época e as montras originais. Tudo recuperado depois de obras profundas que duraram cerca de seis meses.

"Quisemos devolver o Rei dos Queijos à cidade tal como a cidade sempre o conheceu. Recuperar a tradição sem que esta cheirasse a mofo", descreve Alzira Peixoto. "A ideia foi mesmo não ceder à tendência gourmet que está a descaracterizar completamente o Porto", completa Carlos Mendonça.

O queijo, claro, continua a ser rei, mantendo-se intacto o sentido do nome do espaço. Há dezenas deles à venda na loja, provenientes de todas as zonas do país e com a particularidade de serem diretamente comprados ao produtor. Também é possível adquirir outros produtos tradicionais portugueses, como compotas, figos e até chocolates.

Mas há mais. O antigo salão de chá é agora um restaurante onde na ementa reina o queijo, presente em praticamente todas as escolhas. O menu é variado, com tábuas diversas, sopa, pratos quentes e sobremesas, além de considerável carta de vinhos.

"Sempre tivemos presente que o Rei dos Queijos deve ser uma casa, essencialmente, nacional para nacionais. Claro que os turistas são bem-vindos, mas a ideia foi não desvirtuar o conceito original", define Alzira Peixoto. No fundo, perpetuar um nome que fez história no Porto durante boa parte do século XX sem lhe esconder a personalidade.

"A única coisa que fizemos foi procurar um toque característico que oferecesse valor acrescentado ao Rei dos Queijos", explica. O Rei dos Queijos está aberto de terça-feira a domingo, das 12 horas às 23h. Encerra à segunda-feira.

ver mais vídeos