Ambiente

Mais de 145 mil árvores autóctones para plantar

Mais de 145 mil árvores autóctones para plantar

O projeto Floresta Comum abriu mais um período de candidaturas para continuar a reflorestar Portugal com árvores autóctones, mais resilientes ao fogo. Para a época 2018/2019 estão disponíveis 145 320 plantas florestais de 45 espécies, nos quatro viveiros do Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF): Amarante, Sabugal, Alcácer do Sal e Monte Gordo.

"O objetivo é divulgar e expandir a floresta autóctone pelo território português", afirma, ao JN, João Branco, presidente da Quercus. É que, apesar das suas "enormes vantagens", nomeadamente em termos de biodiversidade e de resistência ao avanço dos incêndios, este tipo de floresta tem sido "pouco acarinhado em Portugal".

João Branco justifica que ainda há poucas plantações porque "não são muito atrativas do ponto de vista económico e do lucro imediato". Mais: "As pessoas tendem a valorizar mais o eucalipto e o pinheiro, que geram rendimento mais rápido".

"Felizmente", acentua o dirigente da associação ambientalista, "este problema já está na agenda política". Já ouviu da boca do primeiro-ministro e do presidente da República que "é preciso fomentar as plantações de floresta autóctone".

"Falta que esse discurso político se reflita no Orçamento de Estado", acrescenta Pedro Sousa, responsável da Quercus que acompanha o projeto Floresta Comum desde o início. Nota que "enquanto isso não acontecer nunca existirão meios suficientes para se fazer um planeamento e uma reflorestação com espécies autóctones a nível nacional".

Entende que este seria o momento ideal para o fazer, porque "a opinião pública em geral está sensível a este assunto". Ou seja, "se colocassem no Orçamento do Estado uns milhões de euros para investir na floresta, passava bem junto das pessoas". Até porque "o que se gasta no combate ainda é muito é superior à prevenção, e ainda mais ao planeamento e à gestão".

Para João Paulo Carvalho, docente da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e responsável científico nacional do projeto Floresta Comum, "o ideal seria que este projeto não tivesse um fim à vista, pois esta é uma tarefa de longo prazo". Para já, acaba de ser renovado por mais três anos.

PUB

As mais de 145 mil plantas que vão ser distribuídas este ano dão para cerca de 145 hectares, mas isto, realça João Branco, é "uma área baixa quando comparada com a do eucalipto, que todos os anos tem crescimentos entre 10 mil e 30 mil hectares".

O ideal seria que também os proprietários ajudassem na reflorestação com espécies autóctones. A Quercus sabe que há quem queira plantar carvalhos ou cerejeiras e nogueiras.

"Estas ações de sensibilização despertam o bichinho de algumas pessoas, que vão replicar o comportamento nos seus terrenos. Há quem tenha terrenos pequenos e que já esteja a abdicar dos lucros que poderia ter plantando eucaliptos, em detrimento da possibilidade de desfrutar de uma paisagem mais bonita e com maior biodiversidade".

Espécies como carvalhos, cerejeiras bravas, medronheiros, sabugueiros, azinheiras ou sobreiros, entre outras, estão mais adaptadas às condições climáticas locais, sendo por isso mais resistentes a pragas, doenças, longos períodos de seca ou de chuva intensa. Contribui ainda para a mitigação das alterações climáticas e é mais resiliente aos incêndios florestais.

Outros Conteúdos GMG