Os tombos e as alegrias de quem aprende a andar de bicicleta

Os tombos e as alegrias de quem aprende a andar de bicicleta

Junta de Freguesia de S. Victor e Associação Braga Ciclável proporcionam a jovens alunos aulas gratuitas de iniciação às duas rodas na Praça da Justiça. Além da animação sempre presente nas aulas, aos jovens alunos são explicadas algumas regras da sã convivência entre bicicletas, peões e carros numa cidade.

Theo Monteiro, com cinco anos, dá voltas e voltas à Praça da Justiça, em Braga, em cima da sua bicicleta. Está de pé no pedal há mais de uma hora, para depois exibir aos avós aquilo que aprendeu nas aulas de iniciação à bicicleta promovidas, gratuitamente, pela Junta de Freguesia de S.Victor e pela associação Braga Ciclável. Acontecem nos primeiros sábados de cada mês, entre as 9 e as 13 horas, e, logo nas duas primeiras sessões, a taxa de sucesso foi de quase 100%.

Theo não esconde a alegria por conseguir o equilíbrio, na segunda tentativa. Em casa, andava há meses a treinar com a família, mas nunca tinha conseguido o feito. "Em casa metia um pé no pedal e caía. Aqui, não caí. Os meus avós vão ficar muito felizes. Estavam sempre a dizer: Theo, tens que andar sem rodinhas", conta o petiz, enquanto se aproxima da mãe, Adriana Silva, que confirma as palavras do filho. "Já andávamos a tentar ensinar, desde o início do verão. Achei que nunca iria conseguir", confessa a progenitora, residente em Barcelos.

Foi nas redes sociais que tomou conhecimento da iniciativa, à semelhança de dezenas de pais que levaram os filhos a aprender a andar de bicicleta. É o caso de Renata Marques. Levou as filhas gémeas, com seis anos, à Praça da Justiça, depois de lhes ter oferecido uma bicicleta nova. "Ia ser uma seca andar todos os dias com rodinhas. Estava ansiosa por este dia", diz Andressa, já a dominar os pedais. Vê que a irmã ainda precisa de mais treino e vai ajudando com as dicas das professoras: "Tens que olhar em frente, com as costas direitinhas. Não podes estar curvada", explica Yara.

Já Guilherme Filipe, nove anos, aprendeu "tão rápido" que mereceu aplausos da mãe, Mónica Ferreira. "Temos de fazer claque pelos nossos filhos. Estávamos há bastante tempo a tentar ensinar e ele não conseguia equilibrar-se. Aqui, aprendeu num instante", afirma a progenitora, surpreendia. O filho garante que o truque do sucesso foram as professoras, Tânia Covas e Paula Matos.

"Quando conseguem equilibrar-se e começam a andar de bicicleta, a autoestima deles aumenta em 200%", regozija-se Tânia Covas, professora de Educação Física que todos os dias usa este veículo para ir para a escola. Diz que "as quedas desanimam as crianças, principalmente, os rapazes". "As duas primeiras pedaladas é que custam, depois é só treinar", diz, lamentando que os adultos "tenham vergonha" de aprender.

Sílvia Carvalho não quer que o filho Simão cresça com essa lacuna, por isso, insistiu em levá-lo às aulas de iniciação. "Cai e fica frustrado. Mas não vai desistir", assegura a bracarense, à semelhança de outros pais que têm mais dificuldades em convencer os filhos a andar sobre duas rodas.

Segundo Mário Meireles, da Braga Ciclável, o truque para superar o desafio é as crianças "encontrarem o ponto de equilíbrio". Para isso, são retirados, inicialmente, os pedais e as rodinhas, até se equilibrarem no veículo.

Agora, só falta a cidade estar preparada para acolher cada vez mais gente em duas rodas. "A gestão municipal precisa de olhar para a cidade e perceber que há estradas e passeios esburacados, que são desconfortáveis quer para o peão, quer para o automobilista. Se queremos mudar o paradigma da mobilidade, também, temos de preparar as infraestruturas", defende o presidente da Junta de S.Victor, Ricardo Silva.

O autarca acrescenta que as aulas de iniciação, além de incentivarem ao uso da bicicleta, também, terão uma vertente de sensibilização para as regras e deveres dos ciclistas nas artérias de Braga. "Aquilo que queremos é, futuramente, ter condutores, peões e ciclistas muito mais bem preparados e cada um a saber que papel ocupar na estrutura viária", conclui.

Outros Artigos Recomendados