O Jogo ao Vivo

Aeronaves

Europa com poucos meios disponíveis para ajudar no combate ao fogo na Serra da Estrela

Europa com poucos meios disponíveis para ajudar no combate ao fogo na Serra da Estrela

António Costa justificou, esta sexta-feira, aos jornalistas, que a falta de meios aéreos da Europa no combate ao incêndio na Serra da Estrela acontece porque há pouca disponibilidade. "Temos acionado mecanismos europeus, sempre que eles estão disponíveis", apontou, durante uma visita a uma creche na Amadora.

O primeiro-ministro explicou que, ao contrário do passado, em que os fogos florestais atingiam mais o sul da Europa, este verão, há incêndios em países como a Alemanha. "Não me lembro disto acontecer", disse. "Todos os países [da União Europeia] estão com menor disponibilidade de meios", explicou.

O Mecanismo Europeu de Proteção Civil foi ativado por Portugal, devido ao incêndio que lavra há cerca de uma semana na Serra da Estrela e atingiu concelhos como Covilhã, Manteigas, Gouveia, Guarda e Celorico da Beira. Uma aeronave espanhola vai apoiar Portugal no combate ao fogo, mas "as restantes aeronaves [de Espanha] estão empenhadas no combate aos fogos em França", afirmou o chefe de Governo.

PUB

Questionado sobre a inoperacionalidade dos aviões Canadair - dois estiveram parados durante 17 dias -, Costa disse que são aeronaves com "muita idade" e, por isso, "com maior risco de avaria".

O chefe de Governo recordou que a União Europeia está a fazer uma compra conjunta de aviões Canadair para reforçar o Mecanismo Europeu de Proteção Civil. Como o JN adiantou, na edição de 26 de julho, as negociações entre Bruxelas e o fabricante canadiano e o tempo de produção deverão atrasar a chegada dos Canadair para o final de 2025 ou o início de 2026.

O fogo na Serra da Estrela estava a ser combatido por mais de 1600 operacionais, ao final da manhã desta sexta-feira, e já queimou mais de dez mil hectares. "Quando ele terminar, poderemos estudar, e merece ser estudado em pormenor, o que é que foi acontecendo ao longo da fita do tempo e que podia ter acontecido de uma forma diferente, ou não, para evitar que o incêndio ganhasse esta escala", declarou António Costa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG