Educação

Exame de Matemática A não surpreendeu alunos

Exame de Matemática A não surpreendeu alunos

Estudantes acharam que a prova foi mais difícil do que a do ano passado, mas que não fugiu aos parâmetros do que era habitual antes da pandemia.

Carolina Correia, de 18 anos, entrou na sala do exame de Matemática A, esta terça-feira de manhã, com um objetivo bem definido: tirar 20 valores. No final, à saída dos portões da Escola Secundária José Estêvão, em Aveiro, não fazia ideia se a meta tinha sido alcançada - até porque não gosta de avançar com prognósticos -, mas levava consigo o sentimento de dever cumprido. No entanto, à semelhança de outros colegas, achou a prova mais difícil do que a do ano passado.

"Correu bem. Gostei do que fiz, de um modo geral. Acho que o nível de dificuldade, em comparação com o ano passado, ficou um pouco mais difícil. Mas em comparação ao que era antes da pandemia, foi igual", explicou Carolina Correia, do 12.º ano, que quer ingressar no curso superior de Engenharia e Gestão Industrial, no Porto, onde a média de entrada ultrapassa os 19 valores.

Segundo a aluna, no exame "há sempre um exercício que é mais puxado, que neste caso foi o último". Carolina deixou um exercício por fazer - "não porque não sabia, mas porque tinha dúvidas" -, só que como era "um dos facultativos, em que o que conta é o que tiver melhor cotação", preferiu não arriscar.

Menos confiantes saíram Eduardo Carvalho e Aléxio Pshehorskyy. "Não sabemos como correu. Ou correu muito bem ou muito mal", adiantou o primeiro. "Houve perguntas fáceis, mas outras eram complicadas. E acho que o nível de dificuldade foi maior do que no ano passado. Já estou a pensar na segunda fase", assumiu Aléxio, um dos 39389 alunos, a nível nacional, que se inscreveram na prova.

Esta terça-feira foi dia, também, de os alunos do 11º (da área de Artes Visuais e de alguns cursos profissionais) se submeterem ao exame de Matemática B. Elisa Silva, Marco Oliveira e Rafael Coelho foram três deles. Elisa e Marco acham que a prova foi "mais difícil" do que a de 2020. Rafael achou-a "equilibrada". "É uma sensação muito boa estar livre de exames e, finalmente, de férias", confidenciou o jovem.

Em prova estiveram, ainda, os alunos do 11º ano de Matemática Aplicada às Ciências Sociais, como foi o caso de Carolina Lenevich. "Havia algumas perguntas complicadas, mas no geral correu bem", constatou a aluna, no final do exame.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG