Energia

Famílias e pequenos negócios vão poder aceder à tarifa regulada do gás

Famílias e pequenos negócios vão poder aceder à tarifa regulada do gás

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, anunciou, esta quinta-feira, que o Governo vai propor o levantamento das restrições legais existentes, para permitir o acesso às famílias e pequenos negócios ao mercado regulado do gás.

Segundo Duarte Cordeiro, isto permitirá que as famílias e pequenos negócios tenham uma "fatura de gás inferior à atual". "Os preços do mercado regulado serão menos de metade dos preços dos comercializadores que ontem anunciaram o seu aumento", explicou o governante. A medida, que estará em vigor pelo prazo máximo de um ano, poderá abranger cerca de 1,5 milhões de clientes. O objetivo é que a medida entre em vigor até 1 de outubro,

A EDP Comercial revelou que vai aumentar o preço do gás às famílias em média em 30 euros mensais, a partir de outubro, devido à escalada de preços nos mercados internacionais e após um ano sem atualizações. Segundo a presidente executiva da EDP Comercial, Vera Pinto Pereira, a esse valor acrescem ainda "cinco a sete euros de taxas e impostos". Também a Galp anunciou que vai aumentar os preços do gás natural em outubro, num "valor a indicar brevemente", adiantou fonte oficial da companhia na quarta-feira.

PUB

O ministro anunciou ainda o relançamento do Programa Bilha Solidária, para o qual obteve financiamento através do Fundo Ambiental. Devido à "baixa adesão" anterior, o Governo entendeu tornar a medida "mais acessível" e envolver as juntas de freguesia na sua atribuição e divulgação.

O Governo recordou também que, há duas semanas, "impôs um preço máximo para a venda de garrafas de gás, medida que protege mais de dois milhões de consumidores".

A DECO lançou, em junho, uma petição para que seja permitido, à semelhança do caso da eletricidade, mudar do mercado livre para a tarifa equiparada à regulada no caso do gás natural, uma vez que as tarifas no mercado regulado passaram a ser a opção mais barata para a maioria dos consumidores domésticos, comparativamente ao mercado liberalizado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG