Covid-19

Farmacêuticos começam a ser vacinados na segunda-feira

Farmacêuticos começam a ser vacinados na segunda-feira

Os farmacêuticos vão começar a ser vacinados contra a covid-19 a partir de segunda-feira, no âmbito das prioridades estabelecidas para esta primeira fase do plano de vacinação.

Em comunicado, a Ordem dos Farmacêuticos (OF) adianta que cerca de oito mil farmacêuticos registaram-se para receber a vacina, o que começará a suceder na segunda-feira, após chamada das autoridades e unidades de saúde locais.

A informação foi avançada à Ordem pela "task-force" responsável pela coordenação e implementação do Plano de Vacinação, que solicitou a colaboração da Ordem na identificação dos membros que pretendem integrar a primeira fase da campanha.

Nesse sentido, a Ordem recenseou os farmacêuticos diretamente envolvidos na prestação de cuidados, que trabalham no setor privado e social - farmacêuticos comunitários, hospitalares, analistas clínicos, dos cuidados de saúde primários e continuados -, e enviou a lista atualizada ao grupo de trabalho.

Os dados recolhidos pela OF incluíam a identificação dos agrupamentos de centros de saúde da área de residência ou do domicílio profissional dos farmacêuticos, que serão assim contactados pelas autoridades e unidades de saúde locais, de acordo com dados submetidos no formulário de registo para vacinação.

PUB

"O esforço de vacinar todos os profissionais de saúde, antes de criar qualquer nova prioridade, é absolutamente fundamental. Os critérios estão definidos e têm de ser seguidos, de acordo com os objetivos por cada fase de vacinação: salvar vidas, garantir a resiliência do sistema de saúde, e libertar a economia. Exatamente por esta ordem", defende a bastonária Ana Paula Martins.

A OF recorda que durante a pandemia de covid-19 os farmacêuticos têm assegurado sempre o acesso dos portugueses aos medicamentos, aos meios complementares de diagnóstico e a cuidados de saúde diferenciados, prestados em ambiente hospitalar ou em ambulatório, junto das comunidades que servem.

"Num contexto de emergência em saúde pública, garantiram a continuidade da terapêutica de muitos utentes, em particular de doentes crónicos, mas também o acesso da generalidade da população a equipamentos de proteção individual, testes de rastreio e diagnóstico da infeção por SARS-CoV-2 e vacinas não incluídas no Plano Nacional de Vacinação", destaca o comunicado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG