Covid-19

Fase crítica do coronavírus: o que muda?

Fase crítica do coronavírus: o que muda?

A ministra da Saúde afirmou esta quarta-feira ser inevitável que Portugal entre "dentro de horas ou dias" na fase de mitigação do Covid-19. Quando chegar a esta fase crítica, o país terá estabelecidas cadeias de transmissão ativas de coronavírus no país. E o que muda?

Uso de máscaras

Nesta fase, recomenda-se às pessoas assintomáticas mas com suscetibilidade acrescida o uso da máscara em contexto de grandes aglomerados populacionais ou de frequência de serviços de saúde.

Nas escolas

A fase três prevê que as escolas podem encerrar na sua totalidade ou então apenas para aos alunos, mantendo-se os restantes serviços em funcionamento e algumas atividades letivas não presenciais.

Nas empresas

Nas empresas, as medidas previstas pode traduzir-se na implementação de horários de trabalho flexíveis e desencontrados, promoção do trabalho à distância, maior utilização de ferramentas de comunicação, como o correio eletrónico ou a teleconferência. "O encerramento de locais de trabalho pode ser considerado em epidemias de gravidade extrema", refere o plano nacional de contingência.

Eventos

O tipo de medidas a aplicar pode variar entre o adiamento ou o cancelamento de eventos, algo que já tem ocorrido nos últimos dias mesmo sem o país ter entrado na fase de mitigação.

Muda o foco​​​​​​

Quando as cadeias de transmissão já se encontram estabelecidas na comunidade, o foco passa a ser a mitigação dos efeitos e a diminuição da propagação do vírus.

Todos acolhem doentes

Segundo o plano nacional de resposta ao novo coronavírus, na fase de mitigação, os hospitais do SNS passam a ter de admitir e tratar doentes da sua área de referência com suspeita ou confirmação de Covid-19. Na prática os doentes deixam de ir para os hospitais de referência, de primeira e segunda linha.

Recurso a outros hospitais

Na fase três, o plano contempla o recurso a hospitais do setor público (SNS e militares), social e privado.

Adiar atividade programada

Noutros países, os hospitais das regiões mais afetadas adiaram consultas e cirurgias programadas para responder à epidemia.

Privado e social fazem testes

Os hospitais não pertencentes à Rede Laboratorial, com capacidade de internamento, incluindo o setor privado e social iniciam o diagnóstico de rotina na fase de mitigação.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG