Nacional

Ferreira Leite afasta hipótese de bloco central

Ferreira Leite afasta hipótese de bloco central

A presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, afirmou hoje, sexta-feira, em Berlim que há exemplos alemães não transferíveis para Portugal e que está "fora de causa" formar-se uma coligação de bloco central como na Alemanha.

Manuela Ferreira Leite esteve hoje reunida durante cerca de meia hora com a chanceler da Alemanha e presidente da União Democrata-Cristã alemã (CDU), Angela Merkel, na sede da CDU, em Berlim.

Questionada pelos jornalistas, no final do encontro, a presidente do PSD relatou que um dos temas abordados na reunião foi o governo de coligação entre a CDU e o Partido Social-Democrata alemão (SPD) que Angela Merkel chefia.

PUB

 "Abordámos a experiência da coligação alemã e as possibilidades de coligação ou não em relação a Portugal. Penso que ela não ficou espantada, porque não é para ela novidade, mas é uma novidade ir-se sozinho a eleições, como é o nosso caso", afirmou.

 Questionada em concreto sobre a capacidade que os dirigentes partidários alemães tiveram de ultrapassar incompatibilidades e governar em conjunto, Manuela Ferreira Leite observou: "Nenhuma de nós desconhece esse facto e há certas situações em que os exemplos alemães não são transferíveis para Portugal".

 "Portanto, nós sabemos das histórias, falamos sobre os assuntos, mas isso não significa transferência de experiências", reforçou.

 Interrogada se uma "grande coligação" como a alemã está fora de questão em Portugal, a presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite respondeu: "Uma grande coligação, se está a pensar entre o PS e o PSD, está com certeza fora de causa".

 A presidente do PSD destacou as "afinidades políticas e pessoais" que tem com Angela Merkel, por serem ambas mulheres, da mesma família política europeia e candidatas a eleições legislativas que se vão realizar na mesma data, 27 de Setembro.

 "Essa afinidade foi invocada pela senhora Merkel, e eu registei-a", afirmou.

 Manuela Ferreira Leite acrescentou que a coincidência das eleições legislativas em Portugal e na Alemanha permitiu "alguma conversa sobre o tema das eleições e das dificuldades que se encontram nas campanhas" e que outro tema de conversa foram "os problemas que se põem à Europa no que respeita à crise económica".

 Da recandidatura de Durão Barroso à presidência da Comissão Europeia falaram "um pouco, mas não muito", adiantou. "Falámos muito mais sobre o problema da Europa em geral e sobre o problema das eleições que as duas estamos neste momento a enfrentar".

 Não foi permitido aos repórteres de imagem registarem imagens do encontro entre as duas dirigentes partidárias, que começou mais tarde do que o previsto porque Angela Merkel chegou meia hora atrasada.

 Sobre a impossibilidade de serem registadas imagens, Manuela Ferreira Leite afirmou que respeita as regras estabelecidas pela CDU alemã e referiu que foram tiradas fotografias oficiais. "Em primeiro lugar, para mim era importante ter um encontro pessoal com a senhora Merkel e, em segundo lugar, em termos de provas temos as fotografias".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG