Nacional

Ferreira Leite preocupada com "asfixia democrática"

Ferreira Leite preocupada com "asfixia democrática"

Manuela Ferreira Leite considera que o cancelamento do Jornal Nacional da TVI "afecta seriamente a liberdade de comunicação". A líder da oposição apelida a situação actual do país de "asfixia democrática".

"Nunca ninguém saberá o que se passou, mas o que sabemos é que se tratava de uma estação televisiva e de um programa específico em que o primeiro-ministro se sentia incomodado e publicamente se manifestou contra ele", declara, alertando para o facto de "um programa ter sido silenciado, o que deve fazer pensar".

Ferreira Leite comentou pela primeira vez o caso TVI, ontem à tarde, em Coimbra, onde encerrou a Convenção Nacional Autárquica do PSD. A presidente do partido entende haver uma asfixia democrática no país, "no sentido em que quem discorda, quem enfrenta, quem ousa dizer alguma coisa que não está de acordo com os parâmetros do Governo sofre ameaças".

O cancelamento do "Jornal Nacional" já tinha sido referido no início da convenção pelo presidente dos Autarcas Social-Democratas. Manuel Frexes defende que a medida "beneficia José Sócrates e é um dos maiores atentados à democracia que há memória".

Na convenção, que apresentou o compromisso social-democrata para as autarquias locais, Manuela Ferreira Leite elegeu o combate à pobreza como prioridade. "Parte do país vive muito abaixo do limiar da pobreza, e são estes que precisam do Estado", defende. Apela ainda a que os poderes local e central "partilhem recursos de forma equitativa e solidária".

O presidente da autarquia do Porto, Rui Rio, pôs a tónica no desenvolvimento sustentado. "Gerir um país tem a ver com a qualidade de vida e não com o crescimento. Ter mais só é importante desde que as pessoas vivam melhor", alega. A descentralização também é uma das bandeiras do autarca, segundo o qual "tudo o que a nível local deve ser melhor feito que a nível nacional deve ser descentralizado". Neste campo, dá o exemplo das escolas primárias, que entende "terem qualidade muito superior do que as que estão sob tutela do Governo".

O executivo de José Sócrates não escapou às críticas dos autarcas social-democratas. Rui Rio acusou o Governo de ser "o mais centralizador dos últimos anos" e avisa que o resultado eleitoral do PS a Norte "vai mostrar que o povo não esquece o que lhe fizeram". O edil de Coimbra, Carlos Encarnação, acusou o executivo de "estar limitado ao Largo do Rato e tratar de maneira diferente os municípios".

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG